PF confirma para as 14h de hoje depoimento de José Roberto Arruda

Até a próxima quinta-feira, por ordem do STJ, a PF terá que ouvir todos os 42 acusados de envolvimento no esquema

Vannildo Mendes, da Agência Estado

29 de março de 2010 | 13h59

A Polícia Federal (PF) confirmou que começa, às 14h desta segunda-feira, 29, o depoimento do ex-governador cassado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, preso desde 11 de fevereiro, acusado de obstrução à Justiça e tentativa de suborno de testemunha chave do inquérito que investiga o esquema de corrupção no DF. Até a próxima quinta-feira, por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a PF terá que ouvir todos os 42 acusados de envolvimento no esquema.    

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMP é favorável à permanência de Arruda na prisão

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifCâmara marca eleição no DF para 17 de abril

 

Já foi ouvido até agora o ex-vice-governador Paulo Octávio, que se antecipou na última sexta-feira espontaneamente, e, hoje pela manhã, foi tomado o depoimento do ex-secretário de Comunicação do Governo do Distrito Federal, Welligton Moraes, que está preso na Papuda, também acusado de envolvimento na tentativa de suborno de testemunha.

 

A PF montou uma força tarefa de oito equipes com delegados, escrivães e peritos para conseguir ouvir todos os acusados até a próxima quinta-feira. Conforme o cronograma, ainda nesta tarde, serão ouvidos o ex-presidente da Câmara Distrital, Leonardo Prudente, que renunciou ao mandato, conhecido por ter sido flagrado colocando dinheiro na meia; e o ex-assessor de imprensa Omézio Pontes, além dos ex-secretários José Geraldo Maciel (Casa Civil) e José Luiz Valente (Educação).

 

Estão marcados também os depoimentos de Luiz França, ex-subsecretário de Justiça; de Gibrail Gebrim, ex-assessor da Secretaria de Educação do Distrito Federal; e dos empresários Marcelo Carvalho (ex-executivo do Grupo Paulo Octávio), José Abdon (dono da AB Produções, que cuidava do marketing de Arruda) e Alcyr Colaço (controlador do jornal Tribunal do Brasil, que foi flagrado em fita de vídeo colocando dinheiro na cueca). Os demais serão ouvidos até quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.