PF aponta crime eleitoral na campanha de Taniguchi

O delegado da Polícia Federal responsável pelo inquérito sobre denúncias de caixa dois na campanha de reeleição do prefeito de Curitiba, Cassio Taniguchi (PFL), Hugo Corrêa Martins, disse hoje que, com os elementos que já possui em mãos, há indícios de que houve realmente crime eleitoral. "A meu ver, o Ministério Público Eleitoral já tem elementos para oferecer denúncia", disse.Martins falou pela primeira vez sobre o inquérito depois de receber vereadores oposicionistas, que desejavam cobrar mais rapidez no inquérito. Um dos participantes do encontro, o vereador André Passos (PT), disse ter ficado satisfeito com as explicações do delegado e com as demonstrações de que o inquérito não está parado, como eles pensavam. Eles pretendem agora cobrar do procurador eleitoral a apresentação da denúncia.As acusações foram feitas por partidos oposicionistas, que apresentaram cópias de um livro-caixa, que comprovaria o uso de quase R$ 33 milhões na campanha, enquanto o partido declarou ao Tribunal Regional Eleitoral ter gasto apenas R$ 3,1 milhões. O delegado disse que pretende utilizar o trabalho já realizado pela Promotoria do Patrimônio Público, mas ouvirá outras pessoas. "Todos os que assinaram recibos, todos os empresários que emitiram notas, vão ser todos ouvidos", afirmou.Segundo ele, caberá à Justiça determinar as penalidades para as pessoas envolvidas, que podem ser de perda de mandato, caso se configure a responsabilidade do prefeito, ou até de reclusão. Martins acredita que até outubro terá encerrado o inquérito.Antes da reunião com o delegado, houve muito bate-boca entre políticos, principalmente integrantes do PMDB, com o superintendente da Polícia Federal, Juliano Maciel, ainda no corredor do prédio da PF. Os ânimos serenaram quando os peemedebistas deixaram o local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.