PF ampliará cooperação para combate ao tráfico

Em busca de liderança nas iniciativas de segurança na América do Sul, a Polícia Federal montou um plano para reforçar sua presença nos 16,8 mil quilômetros de divisas do País e ampliar a cooperação policial com os governos vizinhos. O objetivo, segundo o delegado Roberto Troncon Filho, coordenador de Combate ao Crime Organizado, é intensificar o cerco aos crimes ambientais, conter a escalada do tráfico de drogas e de armas e suprir a ausência do Estado ao longo da extensa fronteira seca. Os dois primeiros acordos entram em fase operacional este ano com os governos do Paraguai e da Bolívia, enquanto vários outros estão em fase de finalização.Com o Paraguai, um acordo promoverá políticas de erradicação da maconha. O país é hoje o maior fornecedor dessa droga ao País, ocupando o espaço deixado com a erradicação sistemática de plantações nas principais regiões produtoras do Brasil, como Pernambuco e Bahia. "Vamos compartilhar toda nossa experiência, inteligência e know how operacional com os colegas paraguaios", disse Troncon.Na Bolívia, maior provedor de crack para o mercado brasileiro, a PF terá o desafio de ocupar o vácuo deixado com o rompimento pelo governo Evo Morales do acordo de cooperação com os Estados Unidos na área de segurança. Em fevereiro, uma reunião entre autoridades dos dois países, em Campo Grande (MS), definirá as bases da substituição do esquema americano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.