PF ainda não conta prazo para entrega de laudo no caso Renan

Perícia teve início, mas os 20 dias para entrega só passam a contar depois que a PF tiver todos os documentos

Rosa Costa e Vannildo Mendes, do Estadão,

24 de julho de 2007 | 19h51

A Polícia Federal receberá nesta quarta-feira, 25, mais documentos para anexar ao "pacote" em poder dos oito peritos encarregados de aprofundar a investigação sobre a venda de gado das fazendas do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).   A análise dos documentos começou nesta terça-feira, mas o delegado avisou que os 20 dias para entrega do laudo ao conselho só começam a contar quando a documentação estiver completa.   O senador afirma na defesa que encaminhou ao Conselho de Ética que as operações teriam lhe assegurado um rendimento de R$ 1,9 milhão, em quatro anos. Tenta provar, assim, que os depósitos feitos em sua conta, em valores que variam de R$ 4.260,00 a R$ 95.323,00, seriam decorrentes dessas operações e não de eventuais pagamentos de favores feitos ao lobista da empreiteira Mendes Júnior, Cláudio Gontijo. De acordo com a jornalista Mônica Veloso, com quem Renan tem uma filha de três anos, era o lobista quem lhe entregava o dinheiro para bancar despesas pessoais, da pensão alimentícia e aluguel.   Encaminhados pelo Senado à PF, os papéis tratam de dados sobre as Guias de Transporte de Animais (GTAs) emitidas pela Agência de Defesa e Inspeção de Alagoas e de notas fiscais que estão em poder do irmão de Renan, deputado Olavo Calheiros (PMDB-AL). No laudo inicial entregue ao conselho, preparado em apenas dois dias, Olavo, a mãe, Renilda Calheiros, e o irmão Remi Calheiros aparecem como donos de cabeças de gado, identificados pela GTAs, que Renan disse serem dele.   O deputado também aparece como comprador e vendedor de gado para Renan. Em agosto e setembro de 2006, por exemplo, o senador emitiu recibos de R$ 49.896,00 e R$ 39.984,00 em favor do irmão. O deputado, por sua vez, assina um recibo de R$ 19.958,40 em favor do senador, também em agosto.   O Conselho de Ética espera receber nesta quarta documentos da Secretaria da Fazenda de Alagoas e da Superintendência do Ministério da Agricultura no Estados. Os mesmos serão igualmente encaminhados ao chefe da Diretoria Técnico Científica da PF, delegado Geraldo Bertolo, encarregado da perícia.   Os peritos farão análise contábil e documentoscópica de notas fiscais de venda de gado, recibos de pagamento, atestado de vacina do rebanho, livro-caixa das propriedades e guias de transportes de animas (GTAs), além das declarações de renda de Renan Calheiros entre 2003 e 2006.

Tudo o que sabemos sobre:
Renanperícia da PF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.