PF abrirá inquérito sobre denúncia no RS, diz Thomaz Bastos

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, disse hoje que conversou com a ex-ministra Emília Fernandes e ela negou ter participado de suposta pressão para arrecadação de recursos em campanha eleitoral no Rio Grande do Sul. Apesar disso, o ministro diz ter determinado à Polícia Federal que abra inquérito sobre o assunto, denunciado em reportagem da revista Veja, no Rio Grando do Sul.Sobre a informação de que Waldomiro Diniz teria se encontrado com o empresário conhecido como Carlos Cachoeira em 2003, Thomaz Bastos afirmou que isso já está sendo investigado por inquérito da Polícia Federal e pela comissão de sindicância instaurada pelo ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo.O ministro disse ainda que a decisão de editar a medida provisória já vinha sendo estudada pelo governo, "que estava fazendo um grande inquérito sobre o assunto". Mas reconheceu que a polêmica em torno da denúncia contra Waldomiro Diniz também foi levada em consideração para o governo editar a medida provisória. "A decisão leva em conta todas as circunstâncias. E não acredito que a decisão tenha sido precipitada", afirmou.O objetivo, segundo Thomaz Bastos, é levar a discussão ao Congresso. "O fato de ser uma medida provisória, que funciona como um projeto de lei, fará com que o Congresso se pronuncie", disse, ao reforçar que o levantamento feito pelo grupo de trabalho sobre as atividades dos bingos deverá ser encaminhado às lideranças do governo no Congresso.Bastos informou ainda que já está criado no Ministério da Justiça um departamento de recuperação de ativos para investigar a lavagem de dinheiro. Esse departamento é integrado por 22 organismos da administração pública e de algumas administrações estaduais para combater a lavagem de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.