PF abrirá arquivos da época do regime militar

O ministro da Justiça, Paulo de Tarso Ramos Ribeiro, determinou hoje a abertura dos arquivos da Polícia Federal relativos à época do regime militar (1964-1985). A partir de agora, a comissão das famílias dos desaparecidos políticos e outros interessados poderão ter acesso aos documentos de ordem política. Grupos de direitos humanos avaliam que os documentos vão facilitar o trabalho de localização dos corpos dos mortos em confronto com homens da polícia e das Forças Armadas. Em solenidade no Ministério, Paulo de Tarso ressaltou que a abertura dos arquivos da Polícia Federal deverá esclarecer as circunstâncias das mortes dos adversários do regime militar. Ele admitiu que o tema ainda é "delicado". "Não podemos temer a delicadeza dos fatos", salientou. "A anistia só se completa com o sepultamento das vítimas", acrescentou o ministro. IndenizaçãoDurante a cerimônia, o representante do grupo Tortura Nunca Mais, de Goiás, Waldomiro Batista, entregou ao ministro documento pedindo que o governo edite uma Medida Provisória ampliando a Lei 10.536, de 14 de agosto deste ano, para incluir na lista dos indenizados os parentes dos que morreram em guerrilha urbana, confrontos de rua e passeatas ou que se suicidaram em decorrência de perseguição política. Pela proposta, cerca de 50 famílias seriam beneficiadas. O ministro Paulo de Tarso Ramos Ribeiro disse que a proposta será estudada e que ela poderá ser levada adiante se tiver fundamento jurídico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.