Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governadores querem reembolso de planos de saúde por uso do SUS

Pedido foi feito ao ministro da Fazenda, Nelson Barbosa; cobrança hoje é feita pelo governo federal

BERNARDO CARAM, BEATRIZ BULLA E DANIEL CARVALHO, O Estado de S. Paulo

28 de dezembro de 2015 | 18h05

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou que os governadores querem que a cobrança aos planos de saúde por usuários que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) seja feita pelos Estados e municípios. O pedido foi feito em reunião nesta tarde com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. 

Atualmente, a cobrança é feita pelo governo federal. Gastos de pacientes que são clientes de planos de saúde, mas são atendidos no SUS, são passíveis de ressarcimento com pagamento dos planos ao governo. "Com essa crise, as pessoas estão com dificuldade de pagar seus planos de saúde e cada vez mais se socorrem na rede pública. Isso está sobrecarregando muito", disse.

De acordo o governador, entre 30% e 35% dos pacientes atendidos pelo SUS no Rio de Janeiro são clientes de planos de saúde. "Nós podermos fazer essa cobrança dos planos de saúde, que hoje é feita pelo governo federal, mas não é feita fortemente, é uma nova fonte de receitas", afirmou.

Ele reclamou que a tabela do SUS está defasada e ressaltou que Barbosa não se comprometeu da reajustar os valores. "Ele vai ver primeiro a questão dos planos de saúde serem cobrados pelos governos estaduais e municipais.

Dívida. Na reunião no Ministério da Fazenda, Pezão disse ainda que os governadores tiveram a garantia de que o governo vai regulamentar nos primeiros 15 dias de janeiro a mudança dos indexadores das dívidas dos Estados e municípios. Apesar de não trazer detalhes sobre a regulamentação, ele disse que vai aliviar as contas dos entes federativos. "Isso abre capacidade de endividamento dos Estados. É uma decisão que ajuda muito", afirmou. 

Tudo o que sabemos sobre:
governadoresreuniãoPezão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.