Pezão diz que governo do Rio continua sem dinheiro para pagar funcionalismo

'Se eu tivesse (dinheiro para quitar os salários) você acha que eu deixaria de pagar a folha de pagamento dentro do mês?', afirmou o peemedebista

Alfredo Mergulhão, O Estado de S. Paulo

17 de fevereiro de 2016 | 13h10

Rio - O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou nesta quarta-feira, 17, que o Estado continua sem dinheiro para pagar em dia os servidores ativos, inativos e pensionistas. Na véspera, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro negou pedido do governo estadual para suspender uma decisão judicial que obriga a quitação dos salários do funcionalismo público conforme o calendário regular de pagamento.

Pezão negou que esteja em queda de braço com o TJ. O governador disse que conversou com o presidente do Tribunal, desembargador Luiz Fernando Ribeiro de Carvalho, por mais de duas horas na terça-feira, quando trataram do pagamento dos servidores do Judiciário.

"Se eu tivesse (dinheiro para quitar os salários) você acha que eu deixaria de pagar a folha de pagamento dentro do mês? Eu queria pagar dia 28 ou 27. Mas não é a realidade das finanças do Estado hoje. Por isso eu peço compreensão e ajuda", disse.

De acordo com o governador, o Estado precisará fazer mais cortes para enfrentar a crise econômica. Pezão afirmou que voltou a ter verbas equivalentes às que tinha em 2009. "Não tenho mais receita como tinha antes, em 2014 e 2015. A receita caiu 30% e isso não é trivial. Precisamos nos adequar ao momento em que a receita estadual vive", argumentou.

Partido. Pezão também negou que o PMDB esteja rachado. O governador minimizou as críticas do presidente do partido no Estado e da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani, no momento em que se empenha para ajudar a recolocar o deputado federal Leonardo Picciani na liderança da bancada na Câmara Federal. O governador liberou um de seus assessores, o secretário de Esportes, Lazer e Juventude, Marco Antônio Cabral, a reassumir o cargo de deputado federal para votar em Leonardo Picciani.

"Não tem crise nem racha. Já teve outras declarações e sempre tivemos convívio muito bom", disse o governador. Pezão acrescentou que não ficou ofendido com as declarações de que seu governo é fraco e sem direção, dadas por Jorge Picciani, em entrevista ao jornal O Globo. "Não acho o governo fraco e tenho profunda gratidão aos secretários que vêm fazendo o enfrentamento num momento de crise do Estado", rebateu, durante cerimônia de entrega dos planos de saneamento básico para 34 prefeituras fluminenses. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.