MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Pezão diz que a pena de Cabral foi 'excessiva'

Governador do Rio disse que Cabral tem que se defender: 'Acho que em instâncias superiores ele vai conseguir a diminuição'

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2017 | 17h58

RIO - O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), disse nesta segunda-feira, 2, que foi “excessiva” a pena de 45 anos e dois meses de prisão aplicada ao ex-governador Sérgio Cabral Filho (PMDB), por crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, investigados na Operação Calicute.

+++ 'Eu só assinava', diz Pezão sobre obras de Cabral sob suspeita

"Ele (Cabral) tem que se defender, mas achei (a pena) excessiva, muito grande. Acho que em instâncias superiores ele vai conseguir a diminuição", afirmou Pezão. Ele deu entrevista após prestar depoimento à 7ª Vara Federal Criminal, como testemunha de defesa de Cabral em outro processo.

+++ Defesa de Cabral consegue suspender leilão de bens do ex-governador

A sentença da Operação Calicute foi proferida pelo juiz Marcelo Bretas no último dia 20 de setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.