Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Pezão critica impeachment contra Dilma e defende afastamento de Cunha

Governador do Rio, do mesmo partido do presidente da Câmara, afirma que é preciso 'respeitar resultado das urnas'

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2015 | 14h21

Rio - O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), criticou nesta quinta-feira a abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e disse que seu correligionário não tem condições de permanecer no cargo. Para Pezão, a decisão de Cunha "não ajuda o País". "Ele deve se afastar", defendeu.

"É lamentável que a gente vá para o segundo ano tendo que discutir impeachment, quando o País está precisando que as pessoas se entendam. Respeitem o resultado das urnas", afirmou o governador, depois de visitar as obras da Linha 4 do metrô carioca. "Já perdemos um ano desmontando pauta-bomba, em que a racionalidade não imperou na Câmara Federal. Passamos um ano sem o País crescer, pessoas perdendo o emprego."

Pezão interrompeu a entrevista coletiva para atender a uma ligação de Dilma, que retornava a telefonema do governador. Pezão se solidarizou com a presidente e disse que "pretende ajudá-la no que for possível", mas que não tem como influenciar os deputados do Rio a votarem contra o impedimento de Dilma.

São necessários dois terços dos votos dos 513 deputados. "Eu não tenho esse poder de ter peso na bancada federal. O apelo que faço aos deputados e senadores do Rio é que a gente termine rapidamente com esse processo e dê governabilidade ao país", disse o governador. No fim da tarde desta quinta-feira, Pezão se encontra com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que vai ao Palácio Guanabara.

Para Pezão não há paralelo entre a situação vivida por Dilma e a enfrentada pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello. "Não dá pra comparar (com Collor)", afirmou. "Dilma é uma pessoa séria, uma pessoa honesta. Ela teve dificuldades de governabilidade porque o partido dela não soube entender o momento em que nós saímos das eleições. Mas ela é uma pessoa acima de qualquer dúvida sobre sua vida, sua dedicação", afirmou Pezão.

O governador comemorou ainda a alteração da meta fiscal pelo Congresso, que dá fôlego para o governo federal liberar repasses ao Estado, que enfrenta uma das piores crises financeiras da sua história. Ele defendeu que a Câmara e o Senado criem "uma pauta positiva para o país". "As pessoas estão perdendo emprego. Estamos indo para uma taxa de desemprego de dois dígitos. Precisamos fazer uma pauta positiva. Acho que essa não é a pauta", afirmou Pezão, sobre o impeachment.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.