Petroleiros protestam por falta de segurança

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) informa que os petroleiros atrasaram o início do expediente hoje em duas horas em protestos contra a falta de segurança nas unidades da Petrobras. Também foi feito um minuto de silêncio pelas vítimas das explosões na P-36. As manifestações foram, segundo a FUP, "na maioria das 10 refinarias da Petrobras" e "contando com a maioria dos empregados".A FUP cita entre as refinarias onde houve manifestações a de Duque de Caxias, RJ (Reduc); a Gabriel Passos, MG (Regap); a de Capuava, SP (Recap), a Presidente Bernardes, SP (RPBC); a de Araucária, PR (Repar); a Landulpho Alves, BA, (Relam); a do Vale do Paraíba, SP (Revap) e a de Paulínia, SP (Replan). Também houve protestos na Fábrica de Fertilizantes, nos campos de exploração e produção de petróleo na Bahia, em plataformas no Rio Grande do Norte e em Macaé, para onde foram levados os trabalhadores que estavam na P-36 no momento da tragédia.Segundo nota da FUP, os petroleiros querem melhores condições de trabalho e segurança, incluindo "treinamentos, realização imediata de concurso público, reposição do efetivo e o cumprimento das Normas Regulamentadoras 9 e 5, que garantem ao trabalhador o direito de recusar-se a trabalhar em caso de risco de acidente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.