Petrobrás vai tomar medidas drásticas e superar descoberta de corrupção, diz Dilma

Em entrevista à Bloomberg, presidente negou veementemente saber do esquema de propinas na estatal

José Roberto Castro e Leticia Sorg, O Estado de S. Paulo

01 Abril 2015 | 10h44

SÃO PAULO - A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira, 1, ter certeza de que a Petrobrás será capaz de "superar todos os seus problemas" até o final de abril durante entrevista que ela concedeu à Bloomberg. "Ela vai ser capaz de superar todos os seus problemas até o final de abril", afirmou Dilma, após ser perguntada por uma agência internacional sobre a publicação do balanço auditado da companhia. Ela destacou o papel da nova diretoria e do novo conselho de administração da estatal na construção das soluções.


"A Petrobrás tem uma imensa capacidade. Nesse processo de descoberta da corrupção, ela tem condições de passar por isso e superar. Sabe por quê? Porque eu acho que ela vai tomar medidas as mais drásticas, como aquelas que empresas internacionais que passaram por situação similar tomaram e melhoraram, e agora ela vai ter uma gestão muito melhor", disse.


A presidente negou veementemente saber do esquema de propinas na estatal. "Nenhum de nós sequer viu um sinal (de corrupção)", disse a presidente na entrevista, ressaltando que os problemas foram descobertos numa investigação de crime de lavagem de dinheiro.


Dilma também lembrou que o conselho de administração da Petrobrás era formado por "empresários bastante qualificados", não só por ela. "Não foi pura e simplesmente uma questão de gestão", afirmou Dilma, ressaltando que a Polícia Federal e o Ministério Público estão envolvidos na investigação dos fatos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.