Petrobras vai substituir a P-36

A Petrobras está procurando uma nova plataforma de petróleo para substituir a P-36, que afundou no mês passado. O presidente da Petrobras, Henri Philippe Reichstul, disse, em Paris, onde participa da Segunda Conferência Anual do Petróleo, que a companhia quer ter uma substituta para a sua maior plataforma, cujo custo havia sido estimado em US$ 350 milhões, até 2003. Na segunda-feira passada, a Petrobras divulgou um relatório preliminar listando sete hipóteses sobre as causas das explosões que provocaram o afundamento da P-36. No acidente morreram 11 funcionários da empresa. Reichstul não deu detalhes sobre a estratégia da Petrobras para a compra da nova plataforma, mas afirmou que a mesma terá provavelmente a mesma capacidade da P-36, que estava produzindo mais de 80 mil barris de petróleo por dia, cerca de 6% da produção total da companhia, e deveria atingir a plena capacidade, de 180 mil barris por dia, em 2003. Na sede da Petrobras no Rio de Janeiro, Luiz Cabral, assistente de Reichstul, disse que a companhia deverá convidar empresas nacionais e internacionais para apresentarem proposta para o novo projeto. "A maioria das plataformas da Petrobras foi construída por empresas estrangeiras, depois de uma concorrência internacional, o que deverá ser feito também desta vez", acrescentou. Segundo ele, a Petrobras já contatou companhias estrangeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.