Petrobras rompe acordos com construtora no RJ

A demissão de 900 trabalhadores contratados pelos dois consórcios da Delta Construções nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj)ameaça, mais uma vez, interromper os trabalhos do principal empreendimento da Petrobras. Sob alegação de ineficiência, a estatal cancelou no dia 11 os contratos com a Delta. Reunião emergencial realizada há dois dias entre representantes do sindicato dos trabalhadores, dos consórcios e da Petrobras discutiu a absorção dessa mão de obra.

SABRINA VALLE E SERGIO TORRES, Agência Estado

16 de maio de 2012 | 09h26

Nada de efetivo ficou acertado no encontro, a não ser a promessa empresarial de tentar manter na obra pelo menos 70% dos dispensados. Na próxima semana, haverá uma manifestação desses operários no portão principal do complexo petroquímico. Desde novembro de 2011 a construção do Comperj esteve interrompida durante 85 dias por causa de quatro greves. A última paralisação, de 28 dias, terminou na semana passada. A possibilidade de nova greve em solidariedade aos demitidos começa a ganhar força.

O afastamento dos consórcios dos quais a Delta faz parte ocorreu há cinco dias, mas só nesta terça a Petrobras divulgou o fato formalmente. "A Petrobras está estudando a melhor solução para evitar impactos no cronograma do Comperj", diz a nota.

Como o jornal O Estado de S. Paulo mostrou na edição de domingo, a entrada em operação do Comperj, adiada já três vezes, corre o risco de sofrer nova prorrogação, por causa de atrasos nas obras, da inexistência de acessos para os megaequipamentos, de greves em sequência e de dificuldades na obtenção de licenças ambientais. O prazo oficial, que já foi 2011, 2012 e 2013, agora é o segundo semestre de 2014, com risco de novo adiamento em breve. Os contratos rescindidos somam R$ 843,5 milhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasDeltaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.