Petrobras limpa resíduos de vazamento na Bahia

Cerca de 300 contratados da Petrobras continuam limpando resíduos do vazamento de óleo cru de um dos navios da Transpetro, subsidiária da empresa, identificada pelo Centro de Recursos Ambientais (CRA) como responsável pelo derramamento que poluiu uma extensão de 100 quilômetros da mais valorizada costa turística da Bahia. O diretor adjunto do CRA, João Moreira, informou que esse foi o 5º vazamento registrado na costa norte. "A depender da gravidade da poluição, a multa de R$ 100 mil pode ser estendida, pois a lei de crimes ambientais prevê um teto de R$ 50 milhões", explicou. Segundo Moreira, a parte mais crítica da concentração de óleo está nos 30 km entre as praias de Imbassahy e Guarajuba. "Já solicitamos à Transpetro que amplie para 120 km, de Buraquinho até Porto Sauípe, a área onde os resíduos estão sendo recolhidos, devido à importância para o meio-ambiente e turismo da região, e estamos com 15 técnicos atuando na supervisão da operação", garantiu.A multa prévia de R$ 100 mil, aplicada ontem à subsidiária da estatal, tem por base a lei ambiental do Estado nº 7.799, que obriga a empresa a comunicar imediatamente qualquer incidência de vazamento de óleo, o que só foi feito 15 horas depois das primeiras manchas de óleo chegarem às praias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.