Petrobras lança edital para contratar agências de publicidade

A Petrobras lançou nesta sexta-feira edital de concorrência pública para contratação de três agências que irão prestar serviços de publicidade à estatal. Apesar de não ter nenhuma megacampanha publicitária programada para 2007, a Petrobras vai elevar de R$ 212 milhões para R$ 250 milhões a verba destinada a esta finalidade.O valor será dividido entre três agências vencedoras, por um período de dois anos, com possibilidade de ser renovado por igual período. A licitação deve ser concluída antes do dia 31 de março, quando expira o contrato das três atuais agências, a F/Nazca, Que Comunicação e Duda Propaganda.A idéia da Petrobras é que novamente cada uma das vencedoras atue em áreas distintas: patrocínio esportivo; mercadológico e ações no exterior; e por fim, política de investimentos sociais e cultura.A modalidade desta concorrência será a de melhor técnica, em que se considera também o preço apresentado. A comissão será formada exclusivamente por profissionais da Petrobras. A grande inovação desta seleção será o fato de a análise técnica das propostas acontecer sem que a comissão conheça os proponentes. Para que isso aconteça, ao adquirir o edital, os proponentes receberão os envelopes no qual deverão colocar suas propostas e documentação, separadamente.Em entrevista concedida ao Estado, o gerente de publicidade da Petrobras, Luiz Antonio Vargas, informou que a maior campanha de 2007 deverá ser o patrocínio aos Jogos Pan-Americanos no Rio. "A Petrobras é a principal patrocinadora, mas nem de longe a verba prevista por enquanto para este evento se aproxima das megacampanhas anteriores", admitiu.Em 2006, pelo menos R$ 45 milhões foram destinados à campanha para promover a auto-suficiência da Petrobras, alcançada em abril. O valor foi o segundo maior gasto em uma única campanha pela estatal, perdendo apenas para as comemorações de 50 anos da empresa em 2005, que atingiram a R$ 60 milhões.Ele destacou, no entanto, que deverá haver um aumento significativo no volume das peças publicitárias da estatal no exterior. Sem citar detalhes sobre onde serão feitas estas campanhas ou mesmo qual o porcentual do aumento sobre o já aplicado lá fora em 2006, o gerente limitou-se a comentar que este "aporte" se dará pela "própria evolução dos negócios da empresa fora do Brasil"."Em 2006, a Petrobras adquiriu postos da Shell em três países. Isso implica em uma campanha significativa. Por estratégia, não podemos revelar quais serão outros avanços importantes, mas certamente o crescimento da companhia lá fora exige um maior esforço em marketing e divulgação", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.