Petrobrás discute corrupção e adia decisão da gasolina

Denúncias de malfeitos e pressão por mais apuração interna fazem conselho da estatal adiar definição sobre reajuste de combustível

ANTONIO PITA E FERNANDA NUNES, Estadão Conteúdo

31 de outubro de 2014 | 20h35

Atualizada às 21h12

As denúncias de corrupção na Petrobrás e a pressão por um aprofundamento nas investigações internas causaram nesta sexta-feira, 31, a interrupção da reunião ordinária do Conselho de Administração da estatal. O encontro será retomado na próxima terça-feira, quando, finalmente, deve ser decidido se os preços da gasolina e do óleo diesel vão subir. 

O tema estava na pauta da reunião do conselho, que tem o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, como presidente. Mas, segundo fontes, nada foi dito sobre aumentos. A discussão no colegiado se limitou à pressão feita pela PriceWaterhouseCoopers (PwC) para ampliar as investigações internas sobre denúncias que vieram à tona com a Operação Lava Jato, da Polícia Federal. 

A indefinição sobre as auditorias expôs o clima de paralisia na petroleira, pressionada por uma situação financeira delicada e pelos escândalos que vieram a público com a investigação da PF. Auditora independente dos resultados financeiros da Petrobrás desde 2012, a empresa exigiu da estatal maior esforço para esclarecer as denúncias. Como ultimato, a PwC se recusou a aprovar as contas da estatal do terceiro trimestre deste ano, e ainda ameaçou levar o caso aos órgãos reguladores e à Justiça dos Estados Unidos. 

Procurada, a PwC disse não comentar situação de seus clientes. Entre os conselheiros, imperou o silêncio após a reunião. A ordem é não comentar qualquer tópico discutido durante as seis horas em que estiveram reunidos nos escritórios da companhia, no Rio e em Brasília. 

Como resposta à pressão da auditora externa, a Petrobrás anunciou na segunda-feira a contratação de dois escritórios de advocacia para apurar “natureza, extensão e impacto” das denúncias feitas pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa na investigação da Lava Jato. No dia seguinte, a estatal entrou na Justiça com pedido para mais esclarecimentos de Costa, apresentando uma relação de questionamentos formulados pela auditoria interna da estatal. 

Balanço. As medidas não foram suficientes para a PwC rever sua posição, e a análise dos dados financeiros foi adiada. Até o momento, não há previsão para que o balanço da estatal seja avaliado pelo conselho, como prevê o regimento interno. O prazo legal para apresentação pública dos resultados é 14 de novembro. Antes, na próxima terça-feira, uma reunião extraordinária do conselho deve selar uma decisão sobre o reajuste do preço dos combustíveis. 

Nesta sexta, a expectativa de confirmação do aumento levou as ações da companhia a subirem mais de 6% na BMF&Bovespa, após o término do encontro. Apesar de auxiliar as contas da estatal, o reajuste logo depois das eleições é visto por analistas de mercado como sinal de ingerência política no comando da empresa. 

O tema envolvendo os questionamentos feitos pela PwC era o primeiro item da reunião, que foi suspensa antes que se chegasse a uma conclusão. A pauta do encontro também previa uma análise sobre o andamento das auditorias internas da Petrobrás sobre a refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). As três auditorias foram criadas há sete meses sem nunca ter apresentado qualquer conclusão. 

Desde maio a estatal enfrenta desgastes em função dessas auditorias. O presidente do Conselho de Administração, o ministro da Fazenda Guido Mantega, decidiu destituir conselheiros independentes do Comitê de Auditoria, órgão auxiliar responsável por coordenar as apurações internas. 

Os cargos foram ocupados por dois conselheiros ligados ao governo, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. A saída do conselheiro gerou reclamações e processos na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), questionando a ingerência política sobre as investigações. As ações foram arquivadas.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobraspreço da gasolina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.