Petrobrás confirma que computador usado para modificar perfil de Costa era da empresa

Texto alterado dizia que o ex-diretor da estatal foi demitido 'com aprovação da presidente Dilma Rousseff' por estar 'muito soltinho'

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

14 Setembro 2014 | 17h17

A Petrobrás confirmou, na tarde deste domingo, 14, que o perfil na Wikipédia de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal, foi alterado de um dos computadores da sede da empresa. Na modificação, Costa, preso durante as investigações da Operação Lava Jato, é apresentado como "cria do governo tucano" de Fernando Henrique Cardoso. Em nota, a assessoria de Imprensa da Petrobrás informou a Área de Tecnologia da Informação está rastreando os acessos à internet para identificar o computador em que o artigo foi reescrito.

 

A mudança foi feita às 16h16 deste sábado, 13, pelo endereço de IP 164.85.6.3. O texto sobre Costa passou a informar que ele foi demitido "com aprovação da presidente Dilma Rousseff" por estar "muito soltinho". O artigo dizia que a imprensa omite que ele começou a carreira na Petrobrás em 1979 e detalhava ainda os cargos ocupados por Costa durante o governo tucano, a partir de 1995, quando assumiu o posto de "gerente geral do poderoso Departamento de Exploração e Produção do Sul".

 

O texto ficou no ar por seis minutos, até o perfil original ser restaurado pelo usuário Guilhermebr1. Na justificativa, disse que houve "edição tendenciosa a partir da rede da Petrobrás".

 

O IP é uma identidade virtual que permite identificar o computador usado para acessar a internet. Recentemente, um computador do Palácio do Planalto foi utilizado para modificar o perfil dos jornalistas Míriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg. Foi aberta sindicância e o servidor de carreira Luiz Alberto Marques Vieira Filho assumiu ter escrito os textos. Ele foi exonerado do cargo de confiança que ocupava na Secretaria de Relações Internacionais e vai responder a processo administrativo disciplinar.

Mais conteúdo sobre:
PetrobrásPauloRobertoCosta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.