Petrobrás: causa de acidente ainda é desconhecida

O presidente da Petrobrás, Henri Philippe Reichstul classificou o acidente de hoje na plataforma de petróleo P-36, em Macaé, no Estado do Rio de Janeiro, como de muito grande e grave e confirmou a morte de um operário da empresa e ferimentos graves em um trabalhador com 85% do corpo queimado. O ferido foi transportado para um hospital do Galeão. A plataforma onde ocorreram explosões e incêndio já foi totalmente abandonada por cerca de 170 trabalhadores. A Petrobrás está, agora, fazendo a recontagem dos trabalhadores que foram transportados para uma plataforma a 12 quilômetros da acidentada, a P-47.Reichstul disse que ainda não é conhecida a causa do acidente e que a P-36 estava operando abaixo de sua total capacidade, produzindo 80 mil barris de petróleo dia apesar de estar preparada para uma produção diária de 150 mil barris. "É uma plataforma nova e que recebemos há pouco tempo", afirmou Reichstul, que a negou que as explosões tenham tido impacto ambiental. Segundo ele, foi possível evitar um acidente ambiental porque houve tempo para desligar as áreas de gás e de petróleo. ?A plataforma está adernando um pouco para o lado. Estamos com 12 navios trabalhando na área. O incêndio foi apagado e um navio faz o resfriamento da plataforma lançando jatos d?água". O próprio Reichstul informou o ministro de Meio Ambiente, José Sarney Filho; o governador Anthony Garotinho; e o presidente da República do acidente.

Agencia Estado,

15 de março de 2001 | 08h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.