Petreluzzi reforça investigação de morte de prefeito

Uma equipe do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa de São Paulo (DHPP), irá integrar a equipe da polícia de Campinas nas investigações das circunstâncias da morte do prefeito daquele município, Antônio da Costa Santos (PT), ocorrida no final da noite do dia 10 de setembro. A entrada do DHPP no caso foi anunciada hoje pelo secretário estadual de Segurança Pública, Marco Vinício Petrelluzzi, durante entrevista coletiva. Petrelluzzi destacou um delegado, um perito e dois investigadores que iniciam os trabalhos já na próxima segunda-feira, em Campinas. O secretário negou que tenha sofrido pressão para colocar o DHPP no caso. Na última quinta-feira a viúva do prefeito, Roseana Moraes Garcia, teria telefonado ao secretário pedindo a entrada do DHPP no caso.A prefeita de Campinas, Izalene Tiene (PT), e o Partido dos Trabalhadores (PT) também enviaram correspondência ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, fazendo o mesmo pedido. O secretário disse que o inquérito, cuja cópia já se encontra no Ministério Público (MP), requer investigações mais apuradas. Ele criticou notas publicadas na imprensa sobre a demora para solução do caso. Quatro suspeitos que confessaram ter assassinado o prefeito estão presos temporariamente. Em um segundo depoimento, os presos negaram a confissão. Duas testemunhas, mantidas em sigilo, devem prestar novo depoimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.