Petistas se queixam de que Dilma quer controlar tudo

Deputados se irritam com influência da chefe da Casa Civil e de Tarso e tentam recuperar espaço no governo

O Estadao de S.Paulo

23 de fevereiro de 2008 | 00h00

Irritados com a influência dos ministros Dilma Rousseff (Casa Civil) e Tarso Genro (Justiça) sobre o presidente Lula, deputados e até mesmo dirigentes do PT iniciaram um movimento para fustigar a dupla e reconquistar espaço no partido e no governo. As queixas, apimentadas por críticas ao apetite do PMDB e do PP por cargos, chegaram ao Palácio do Planalto na semana passada, quando Lula foi alertado por auxiliares que terá de entrar em campo para segurar a disputa.Nesse casamento de aparências, sacudido por crises sucessivas, não faltam ironias ao "PT de Dilma" e ao "PT de Tarso". "É uma espécie de saudosismo do poder absoluto", reagiu Tarso, do grupo Mensagem ao Partido, numa referência ao ex-chefe da Casa Civil e deputado cassado José Dirceu, que comandou o PT de 1995 a 2002. "O PT, hoje, não tem nenhum bloco que o tutele com mão-de-ferro. É um partido moderno, compatível com a era digital, e não com o arado e o carro de boi."Os petistas começaram a lavar a roupa suja num jantar da bancada promovido pelo presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), na segunda-feira, com o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro. Neles, deputados do PT escancararam as divergências: reclamaram que Dilma quer controlar todas as nomeações - do setor elétrico à Petrobrás, passando pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) - e barra os nomes indicados pelo partido para ocupar postos na administração. A choradeira descambou para a cobrança de melhor relacionamento com o governo e ataques aos parceiros da base aliada."Há perseguição a petistas na Esplanada e muitos ministros, com o argumento de que são técnicos, não fazem a discussão política conosco", esbravejou o deputado Cândido Vaccarezza (SP). "Quando o ministério é comandado pelo PT, a gente tem de conciliar. Quando não é do PT, não há nenhum tipo de benevolência ou contemporização por parte dos aliados", emendou o deputado Jilmar Tatto (SP), que, como Vaccarezza, integra o grupo da ministra do Turismo, Marta Suplicy.O embate que expõe as fraturas no PT tem como pano de fundo as eleições para as prefeituras, em outubro, além da disputa pelo legado de Lula, em 2010, já que Dilma e Tarso são pré-candidatos à sua sucessão. "Eu não tenho ingerência sobre cargos nem tempo para cuidar disso", afirmou Dilma, por intermédio de sua assessoria, apesar da queda-de-braço com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e o senador José Sarney (PMDB-AP) pelas indicações do setor elétrico.DUELOSNuma semana marcada por duelos entre petistas, até mesmo o fantasma do mensalão retornou ao ringue, depois que o novo secretário-geral do PT, deputado José Eduardo Martins Cardozo (SP) - apoiado por Tarso - foi duramente criticado pelo secretário de Relações Internacionais do partido, Valter Pomar. O motivo da pendenga pela internet foi uma entrevista dada por Martins Cardozo à revista Veja, na qual admitiu ter havido envio de recursos "de forma indevida" pelo governo a aliados políticos. Pomar pôs no site do PT uma "carta ao secretário-geral" com observações de como deveriam ter sido as respostas do deputado à revista, sempre entremeadas pela expressão "melhor seria", para explicar como ele poderia se desvencilhar do jornalista."Nós já tivemos crise demais e neste momento o PT deve pensar em 2008, em 2010 e em como corrigir seus equívocos dentro de um processo interno saudável", rebateu Martins Cardozo. "Ou fazemos isso ou vamos tropeçar nos próprios pés."O bate-boca virtual não parou por aí. Em defesa de Martins Cardozo, o secretário de Formação Política do PT, Joaquim Soriano, escreveu que Pomar parecia imbuído das funções de "secretário de controle, disciplina e ideologia". No contra-ataque, Tatto - que acusou a corrente de Tarso de dar "rasteira" em Marta para ganhar assento na Executiva - disse que a direção do PT ficou "manca".Em aliança com Pomar, ele não poupou do bombardeio nem mesmo a tendência de Lula, Construindo um Novo Brasil. "Está se configurando um novo campo majoritário dentro do PT, caracterizado pela ausência de identificação ideológica e impulsionado pelo desejo de ocupação de espaços", insistiu, em mais um artigo preparado para engrossar a munição petista no site do PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.