Petistas iniciam contra-ataque; Serra é o alvo

A bancada do PT no Senado decidiu que vai defender uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ampla sobre todos os casos de suspeitas de corrupção em financiamento de campanha. A decisão foi anunciada logo após a reunião da bancada, agora de manhã, na liderança do Partido no Senado. A líder Ideli Salvatti (PT-SC) afirmou que o caso Waldomiro Diniz é apenas um entre eles. Como exemplo dos casos a serem investigados, ela citou os que envolvem a privatização durante o governo anterior e o da empresa Asa Branca, ligado ao financiamento da campanha do candidato do PSDB, José Serra. "Aceitamos investigar tudo. Não se pode querer olhar apenas um caso de corrupção eleitoral", disse Ideli. O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), ao ser questionado sobre se o PT estaria fazendo chantagem ao tomar essa atitude, afirmou que o governo, que tem maioria no Congresso, não pode fazer apenas a CPI que a oposição quer. Segundo ele, a melhor saída para o País é adotar a proposta defendida pela bancada, de aprofundar a discussão sobre a reforma política. "Vamos aprovar o financiamento público de campanha e quem pedir dinheiro ou der dinheiro vai preso", disse Mercadante. Ideli Salvatti disse que sua bancada, com 13 senadores, defende a aceleração das negociações para aprovar a reforma política e a reforma do Judiciário. Segundo ela, a bancada vai começar a conversar com outros partidos para discutir a proposta da CPI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.