Petistas formam grupo contra aliança com o PMDB de Eduardo Paes no Rio

Coragem para Mudar planeja protestos a partir deste mês; petistas tradicionais pretendem apoiar Marcelo Freixo (PSOL)

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2012 | 17h00

RIO - Reunidos no grupo Coragem para Mudar, petistas do Rio insatisfeitos com a aliança do PT com o PMDB do prefeito Eduardo Paes já no primeiro turno da eleição farão a partir do dia 14 de junho uma série de encontros para protestar contra a decisão do comando do partido. Também vão discutir o que fazer na campanha municipal da capital.

Dirigente do Sindicato Estadual dos Profissionais de Ensino (Sepe) e filiado ao PT, Túlio Paolino é um dos fundadores do movimento Coragem para Mudar. Por enquanto, o grupo tem uma única decisão fechada: não apoiar Eduardo Paes.

"Estamos mobilizando a militância e deixando claro para a opinião pública que faltou democracia interna ao PT. O Eduardo Paes tem uma postura de falta de diálogo e arrogância com os movimentos sociais e não vamos apoiá-lo. Mas ainda discutimos o que fazer. Há um grupo que defende a campanha "vote no 13" (na prática, para a eleição de prefeito da capital significaria voto nulo), outros pensam em apoiar candidatos alternativos. Estamos ouvindo todos os lados", diz Túlio.

PSOL. Muitos eleitores tradicionais do PT têm anunciado, nas últimas semanas, apoio ao pré-candidato do PSOL à Prefeitura do Rio, o deputado estadual Marcelo Freixo. Ele já esteve com artistas como Chico Buarque, Dira Paes, Camila Pitanga, Wagner Moura.

O ator Osmar Prado, tradicional eleitor do PT, também vai votar em Freixo nesta eleição. "Estou votando em pessoas, porque a questão partidária está complicada. Apoio o PT no que é bom, mas critico no que é ruim. Vou com Freixo porque apoio pessoas comprometidas com as causas sociais", diz Osmar Prado, veterano em campanhas petistas, embora nunca tenha tido filiação partidária.

A corrente de eleitores ou aliados de Freixo é reforçada por militantes de direitos humanos como Frei Betto, Leonardo Boff e o padre Ricardo Rezende, do Movimento Humanos Direitos.

Fidelidade. Fundador e militante histórico do PT, o músico Wagner Tiso não embarcou na turma de artistas petistas pró-Freixo. "Vou votar com o PT e participarei da campanha se for preciso. Não votaria nesse candidato(Eduardo Paes), mas se é a decisão do PT, vou com o partido. Eu colhi assinaturas para a fundação do PT no Rio, acompanho o partido nesses anos todos", afirma Tiso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.