Petistas fazem documento para pressionar Carvalho

Berzoini quer assessor de Lula como sucessor no PT

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

14 de abril de 2009 | 00h00

Dirigentes nacionais e regionais do PT, liderados pelo presidente nacional da sigla, deputado Ricardo Berzoini (SP), começaram a colher assinaturas para um manifesto pedindo ao chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Lula, Gilberto Carvalho, que saia candidato à presidência do partido. Apesar de Lula ter manifestado que prefere manter Carvalho onde está, os signatários do documento dizem que esta é a melhor opção para conduzir a legenda em meio ao processo eleitoral do ano que vem. "Pedimos ao companheiro Gilberto Carvalho que represente, nesse processo, todo o sentimento de unidade e coesão construídos nesta gestão, apresentando sua candidatura para a presidência nacional do Partido dos Trabalhadores", diz o texto, intitulado Unidade do PT para vencer 2010. "Quem estiver à frente da histórica tarefa de presidir o PT em 2010 deve promover a coesão interna, costurar alianças nacionais e regionais e levar o embate eleitoral para o terreno ideológico. Para nós, o nome que reúne as melhores condições para desempenhar esse papel é o do companheiro Gilberto Carvalho."O manifesto começou a ser divulgado internamente no fim da semana passada. O texto destaca a proximidade entre Carvalho e a Igreja, assim como sua trajetória no partido. Fala ainda de seu "perfil unificador e conciliador".Apesar de a eleição interna do PT só ocorrer em novembro, as correntes internas têm até o meio do ano para apresentar candidatos. Até agora, Carvalho não se colocou formalmente para a disputa, mas acompanha de perto os preparativos. Por exemplo, o auxiliar do presidente foi avisado sobre o manifesto pedindo sua candidatura. Em conversas com dirigentes petistas, ele costuma dizer que não tem como "sonho de vida" presidir o partido. Ainda assim, diz estar disposto a fazer o que o presidente achar melhor, seja disputar o comando partidário ou ficar no Palácio do Planalto. Se disputar a eleição, Carvalho representará a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), integrada por Lula e pelo ex-ministro José Dirceu. Mas já tem apoio garantido em outros grupos. É o caso de correntes como Um Novo Rumo para o PT, que reúne parlamentares ligados à ex-ministra Marta Suplicy. Ou ainda da Mensagem ao Partido, da qual faz parte o ministro da Justiça, Tarso Genro. Setores como Articulação de Esquerda e Militância Socialista prometem se unir numa candidatura de oposição.Primeiro a subscrever o manifesto, Berzoini disse que o objetivo é formalizar o apoio ao chefe de gabinete de Lula. "Achamos importante colocar publicamente essa posição, para evitar que o assunto fique apenas no disse-que-disse", afirmou. "Esperamos que, com isso, ele reflita sobre o assunto e o presidente Lula também."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.