Petistas divergem sobre presença de Lula em encontro

Apesar do clima de comemoração com a visita que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará nesta tarde ao Encontro Nacional do PT, o representante da corrente de esquerda O Trabalho, Markus Sokol, adotou um tom de cobrança ao comentar o assunto. Sokol afirmou que o evento deveria servir para que Lula escolhesse entre reiterar seu compromisso com movimentos sociais para um eventual segundo mandato ou manter a mesma linha que guiou seu primeiro governo. "Eu gostaria que Lula dissesse a quê que ele é candidato", disse Sokol.Mesmo assim o coordenador do evento, Francisco Campos, voltou a falar nesta sexta-feira sobre a importância da participação de Lula no Encontro Nacional. "A vinda do Lula a este ato deverá mexer bastante com o partido", disse Campos, lembrando que esta é a primeira vez que Lula participa do Encontro Nacional como Presidente da República.Campos também confirmou que o vice-presidente da República, José Alencar, deverá acompanhar Lula na visita. Segundo ele, Alencar aceitou um convite do próprio partido para participar do encontro, apesar de não ser um militante do PT. "Além de exercer um cargo importante, ele é um parceiro nosso", disse Campos, esclarecendo que o intuito do convite foi fortalecer o partido e passar a mensagem de união partidária para as próximas eleições.A quadra do Sindicato dos Bancários, no centro da capital paulista, já apresenta um movimento bastante intenso, com a presença de diversos delegados do PT, que irão representar os filiados no evento. Por enquanto, nenhum dos altos dirigentes do partido apareceu, como o presidente do PT, Ricardo Berzoini ou o assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.