Petistas devem manter força em área metropolitana

Há hoje um candidato petista com chance de vitória em cada uma das quatro grandes cidades da Região Metropolitana de São Paulo que escolhem o prefeito neste 2.º turno: Santo André, Mauá, Diadema e Guarulhos. O PT caminha assim para manter a influência no entorno da capital paulista, sobretudo na região do Grande ABC, onde só teme perder em Diadema.

AE, Agência Estado

28 de outubro de 2012 | 09h53

O foco do partido é retomar Santo André, prefeitura conquistada em 2008 pelo PTB de Aidan Ravin - que agora tenta a reeleição contra o deputado estadual Carlos Grana (PT).

Santo André concentrou os esforços petistas tão logo o 1.º turno acabou, com a virada de Grana (42,85% dos votos válidos) à frente de Aidan (37,23%). O PT promoveu reuniões de militantes e vereadores com o mais influente prefeito da região, Luiz Marinho (PT), da vizinha São Bernardo do Campo. Reeleito no 1.º turno, Marinho cedeu estrutura de campanha para Grana, como cabos eleitorais.

A gestão de Marinho virou, até mesmo, "caso de sucesso" usado por Grana como exemplo de comparação com a gestão de Aidan durante debates. De outro lado, o petebista enfatizou parcerias com o governo do Estado. Geraldo Alckmin (PSDB) foi até Santo André participar de ato com Aidan, por influência da relação próxima que tem com o presidente do PTB paulista, deputado estadual Campos Machado. Só com a reeleição de Aidan o PTB manterá poder na região - o partido perdeu a prefeitura de São Caetano do Sul.

O PT, por sua vez, lançou às ruas seu maior cabo eleitoral, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que percorreu bairros da cidade em caravana. Grana virou candidato do partido por influência direta de Lula.

Lula também esteve presente no palanque de Donisete Braga (PT) em Mauá, participando de ato em prol de Braga, e prometeu intermediar recursos para uma gestão dele. Alckmin fez comício com Vanessa Damo (PMDB). Braga ultrapassou Vanessa nas últimas semanas do 1.º turno e venceu com 38,3% dos votos válidos (76 mil). Vanessa teve 33,9% (67 mil), diferença de apenas 9 mil eleitores.

Em Guarulhos, o prefeito Sebastião Almeida (PT) é favorito. Almeida avançou ao 2.º turno com 49,6% dos votos válidos (283 mil). A quase vitória fez com que o ''pacto da oposição'', acordado no 1.º turno entre os partidos oposicionistas, fracassasse. Ele recebeu o apoio do terceiro colocado, Wagner Freitas (PP). O quinto, Alan Neto, do DEM (partido oposicionista ao PT no âmbito federal e da base de apoio de Alckmin), está ao lado do petista, assim como seu vice, Eduardo Kamei (PTB). O único candidato a declarar apoio a Carlos Roberto (PSDB) - que teve 29,3% dos votos (167 mil) -, foi o ex-prefeito Jovino Cândido (PV), quarto colocado. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.