Petistas de MG ainda acreditam em aliança com tucanos

Os dois petistas mineiros que defenderam hoje, na reunião da Executiva Nacional do partido, a coligação com o PSDB na eleição para prefeito de Belo Horizonte, o deputado federal Miguel Correia Junior e o deputado estadual Roberto Carvalho, afirmaram, ao deixar a sede do partido, que a aliança acontecerá "formal ou informalmente". "A aliança está pronta. Estamos cumprindo a formalidade do partido e o que for decidido pelo Diretório Nacional será respeitado. Acreditamos que o apoio do PSDB já está consolidado", afirmou Correia Junior, ligado ao prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), um dos grandes articuladores da aliança com o PSDB, ao lado do governador tucano Aécio Neves. A Executiva Nacional do PT reiterou hoje o veto à coligação, por 13 votos a dois, mas cabe recurso ao Diretório Nacional, que se reúne na sexta-feira e no sábado. Roberto Carvalho, indicado como candidato a vice-prefeito na chapa da coligação, a ser encabeçada por Márcio Lacerda (PSB), secretário de Desenvolvimento Econômico do governo estadual, rejeitou o argumento dos petistas contrários à aliança de que a aproximação com o PSDB fortalecerá somente Aécio Neves, possível candidato à sucessão presidencial em 2010. "Estamos tratando de 2008. Só quem não conhece a história do prefeito Fernando Pimentel não entende isso. Temos compromisso com as candidaturas do PT em 2010", declarou.Tanto Carvalho quanto Correia disseram contar com a participação não só de Pimentel, mas de deputados federais como José Genoino (SP) e João Paulo Cunha (SP) para ganhar votos pela coligação na reunião do Diretório Nacional. O prefeito de Belo Horizonte, que é suplente no Diretório Nacional, vai ocupar no Diretório a vaga do governador do Piauí, Wellington Dias, e Roberto Carvalho assumirá no Diretório a vaga do ex-ministro da Saúde Humberto Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.