Petista vai à PF e pede que Durval Barbosa seja ouvido na CPI

Deputado Paulo Tadeu defende que ex-secretário seja primeira pessoa ouvida espera e que revele fatos novos

estadao.com.br,

19 de janeiro de 2010 | 16h56

O deputado distrital Paulo Tadeu (PT) reuniu-se nesta terça-feira, 19, com o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, para pedir que o ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal, Durval Barbosa, seja ouvido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Codeplan, que investiga um suposto esquema de pagamento de propina no governo local.

 

Veja também:

linkCâmara do DF recorre contra decisão que afasta Prudente

linkToledo fica em silêncio durante depoimento para PF

linkPF discute com CPI depoimento de pivô de crise no DF

linkJuiz afasta deputado da meia de comando da Câmara do DF

linkPerito diz que é de Arruda letra em papel de partilha

 

A convocação de Durval foi aprovada na última quinta-feira, 14, pela CPI instalada na Câmara Legislativa, porém, como o ex-secretário, denunciante do esquema, está no Programa de Proteção à Testemunha, é preciso acertar o depoimento com a Polícia Federal.

 

De acordo com Paulo Tadeu, autor do requerimento de convocação, ficará a cargo da PF definir a data e o local para o depoimento de Durval - o deputado reconhece que a Câmara Legislativa não oferece segurança suficiente. Os policiais definirão ainda quem poderá acompanhar o depoimento, além dos distritais.

 

Paulo Tadeu defende que o ex-secretário seja a primeira pessoa ouvida pela comissão e espera que ele revele fatos novos em relação aos já divulgados do inquérito da Operação Caixa de Pandora, que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Algumas informações do inquérito permanecem em segredo de Justiça.

 

"Eu só quero ouvir o Durval. Para mim, é ele o que interessa", disse o distrital. Na opinião do deputado, Durval não pode se negar a prestar o depoimento, pois a comissão parlamentar tem prerrogativa para convocá-lo. A CPI também já aprovou requerimento para convocar os diretores e sócios das empresas prestadoras de serviços ao governo do Distrito Federal e de onde sairia o dinheiro para abastecer o esquema de pagamento de propina a deputados distritais em troca de apoio ao governador José Roberto Arruda (sem partido).

 

Dos cinco integrantes da CPI, Paulo Tadeu foi o único a participar da reunião com a PF. Segundo ele, o presidente da comissão, deputado Alírio Neto (PPS), avisou que não poderia comparecer porque estava preso em um engarrafamento no trânsito.

 

Com informações da Agência Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
PFDurval BarbosaCPICodeplanDFArruda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.