Petista rebate tucanos que criticaram Haddad

O presidente do diretório municipal do PT em São Paulo, vereador Antonio Donato, rebateu hoje as críticas dos pré-candidatos do PSDB ao ministro Fernando Haddad, pré-candidato petista à Prefeitura de São Paulo. Em debate promovido pelo jornal Folha de S.Paulo, os tucanos pouparam o prefeito Gilberto Kassab (PSD) de ataques e elegeram Fernando Haddad como alvo preferencial. "Quem não tem proposta tem que atacar, né?", rebateu Donato.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

05 de dezembro de 2011 | 18h37

Durante o debate, o pré-candidato do PSDB e secretário estadual de Meio Ambiente, Bruno Covas, afirmou que a população paulistana não quer mais votar em "poste". "Chamaram a Dilma de poste também e a Dilma é hoje presidente da República", respondeu o vereador. Para o dirigente, os tucanos querem ter candidato próprio mas são "incapazes" de criticar a gestão Kassab, que é mal avaliada pelos paulistanos segundo pesquisas. "Se a gestão Kassab é tão boa que não possam criticá-la, por que eles querem ter um candidato?", questionou o dirigente petista, ironizando a recomendação do governador Geraldo Alckmin (PSDB) de evitar os ataques ao prefeito, com o qual o PSDB negocia uma aliança em 2012. "Os tucanos não conseguem explicar por que estão no governo Kassab, por que querem ter um candidato e na falta de proposta, eles escolheram a linha do ataque. Nesta linha, o eleitor não vai aceitar", afirmou.

O vereador Chico Macena, um dos coordenadores da pré-campanha de Haddad, também saiu em defesa do escolhido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ao listar os feitos de Haddad no Ministério da Educação, Macena destacou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o qual chamou de "maior empreendimento de democratização do ensino" no País. Hoje, o deputado federal e pré-candidato do PSDB Ricardo Trípoli ironizou as falhas no Enem e colocou em dúvida a capacidade administrativa de Haddad. "Sem contar, o que eu imagino que vai acontecer, em um concurso público feito pelo candidato do PT se os dados forem iguais aos do Enem. Vocês imaginem que tipo de concurso público vai haver aqui em São Paulo", alfinetou Trípoli.

Macena disse que os tucanos estão preocupados com a escolha de Haddad pelo PT. "Acho que isso é um pouco de desespero", avaliou. De acordo com o vereador, os paulistanos estão mais propensos a escolher um nome com experiência em administração pública e novo em disputas eleitorais. "Ao contrário do que falam, o Haddad é o que mais tem experiência", afirmou. O vereador também rebateu o comentário de Bruno Covas, neto do ex-governador Mário Covas. "As pessoas não vão votar em uma pessoa que tem só sobrenome e não tem história em São Paulo", provocou Macena, que se referia à recente mudança de domicílio eleitoral de Santos para a capital paulista feita por Bruno Covas.

Tudo o que sabemos sobre:
PSDBpré-candidatosPTrepercussão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.