Divulgação/Agência Câmara
Divulgação/Agência Câmara

Petista que votou contra orientação do partido diz estar de consciência tranquila

'Fui coerente com minha trajetória e com o compromisso com os trabalhadores', afirmou Weliton Prado, único da sigla contrário à MP do ajuste fiscal

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

07 Maio 2015 | 17h08

Brasília - Único deputado a descumprir a orientação do PT e votar nesta quarta-feira, 6, contra a Medida Provisória (MP) 665, que, entre outros pontos, restringe o acesso ao seguro-desemprego, o deputado Weliton Prado (MG) se disse tranquilo e afirmou ter dado o voto com consciência.

"Fui coerente com minha trajetória e com o compromisso com os trabalhadores", afirmou Prado nesta quinta-feira, 7, quando tornou a votar em desacordo com o partido. De acordo com ele, o ajuste fiscal proposto pelo governo não deveria se restringir aos trabalhadores. "Você pode até ter ajustes, mas não é certo fazer ajuste só com o trabalhador. Por que não fazer com os bancos?", questionou.

Prado disse estar "tranquilo" com uma eventual punição por parte da legenda. Pressionado pelo PMDB, o PT fechou questão, o que, no jargão político, significa que a bancada votaria unida. Não votaram seis deputados da sigla que compareceram à sessão. Em 2003, a direção nacional da agremiação expulsou quatro parlamentares que se recusaram a apoiar a reforma da Previdência da administração Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.