Petista pede desfiliação para abafar crise

O presidente do Clube de Seguros da Cidadania, Diógenes de Oliveira, pediu ontem à tarde sua desfiliação do PT para abafar a crise que se abriu por causa de suas declarações sobre o envolvimento do partido com o jogo do bicho. A solicitação foi feita aos membros da executiva estadual do partido horas antes da reunião da comissão de ética na qual ele se explicaria sobre sua conversa com o ex-chefe de Polícia Luiz Fernando Tubino. Na gravação obtida pela CPI da Segurança, o petista diz que os líderes do partido tem uma "relação estreita" com os bicheiros e sugere, em nome do governador Olívio Dutra, que "essa gente" não seja reprimida.A fita caiu como uma bomba nos meios petistas. O presidente do Clube da Cidadania assumiu o que disse, mas argumentou que se tratava de uma "bravata" e que não tinha tido autorização do governador para dar o "carteiraço". O fato foi considerado como "muito grave" pelos dirigentes petistas, e uma comissão de ética foi instaurada para analisar o caso, mas internamente os líderes do partido se dividiram.A Democracia Socialista, grupo do vice-governador Miguel Rossetto, por exemplo, chegou a propor na executiva uma suspensão imediata por 60 dias, mas foi derrotada. Figura histórica do partido e homem de confiança de Olívio durante muitos anos, Diógenes tem o apoio da Articulação de Esquerda, corrente do atual e do ex-presidente estadual da sigla. "Se ele me perguntar, vou convencê-lo a não se excluir", disse no domingo um dos principais líderes dessa corrente.Embora publicamente todos dirigentes petistas considerem Diógenes o único responsável pela conversa com Tubino, internamente há muitas dúvidas sobre os motivos que o levariam a dar um "carteiraço". "O Diógenes sozinho não está, mas alguém vai ter de pagar por isso. Temos de dar uma resposta para a sociedade", afirmou um membro da executiva, pedindo para não ser identificado.Ao longo desta semana, o próprio Olívio deu vários sinais de que exigia uma punição exemplar para Diógenes e queria que o PT devolvesse a sede que pertence ao Clube da Cidadania. Ex-guerrilheiro da Vanguarda Popular Revolucionária, que não revelou o esconderijo de Carlos Lamarca nem sob tortura, Diógenes não exitou em colocar o seu pescoço a prêmio para salvar o do partido. Ontem ele ligou para o presidente do PT, Davi Stival, e pediu uma reunião em local discreto. "Por conta do erro assumido e da dimensão política dos fatos, ele disse que continuava petista e socialista mas não tinha outra saída senão pedir o afastamento", disse o presidente do PT.A comissão de ética considerou o caso encerrado. A carta de desligamento do PT segue na próxima semana para o cartório eleitoral. O PT também deverá devolver a sede emprestada pelo Clube da Cidadania e fazer uma campanha financeira para comprar outra nova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.