Petista elogia programa preliminar

O economista Márcio Pochman, da Universidade de Campinas, filiado ao PT, não participou do grupo de 14 economistas que elaborou a versão preliminar do programa de governo do PT. Mas ele aplaude as propostas sugeridas no documento, que será debatido a partir da próxima semana. "O maior mérito é deixar claro que não dá para ficar vendo o bolo crescer para depois repartir. A hora é mesmo de avançar na distribuição de renda", diz Pochman. Na avaliação do economista da Unicamp, a versão preliminar do programa não deve ser interpretada como uma espécie de continuação do atual sistema econômico, já que prevê a manutenção, por exemplo, do sistema de metas de inflação. "Por enquanto, é uma agenda mínima. Porém, não tenho dúvida de que será necessário fazer uma ruptura em alguma hora", acredita Pochman. Ele lembra que o PT está preocupado em pensar sobre como voltar a colocar o País nos trilhos do crescimento sustentado, "sem esquecer de atenuar ou solucionar a grave crise social". "Não há vejo conflitos nos pontos apresentados até agora. Precisamos crescer e participar da terceira grande revolução tecnológica", disse Pochman.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.