Petista cobra do governo abertura dos arquivos do SNI

Mais importante que debater a veracidade das fotos apontadas como sendo do jornalista Vladimir Herzog, e contestadas em laudo da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o governo federal tem a tarefa de abrir todos os arquivos do antigo Serviço de Nacional de Informações (SNI), defendeu nesta sexta (22), em Campinas, o deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh (PT). "O caso Herzog confirmou a existência de arquivos que precisam ser abertos", afirmou. Ele argumentou que nenhum país consolida sua democracia "escondendo" documentos. "Não é possível permanecermos com fantasmas pairando sobre a cabeça de todos nós. As fotos divulgadas como sendo do Herzog só trazem uma certeza, de tempos em tempos novos documentos, novas fotos vão surgir". Greenhalgh propôs a formação de uma Comissão Nacional da Verdade, com membros da sociedade civil, para esmiuçar arquivos dos órgãos de segurança do período da ditadura militar. Ele disse acreditar que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não tem restrições à abertura dos documentos. "Espero que o presidente faça isso". O deputado acrescentou que manter os documentos em segredo pode "colocar em risco a democracia". Afirmou que arquivos do período da ditadura não foram incinerados, como teria sido divulgado. "Se eles não forem abertos, é lícito supor que guardam segredos inexpugnáveis", alegou.Por outro lado, Greenhalgh defendeu a posição do governo de contestar as imagens como sendo de Herzog. "O fato de Clarice Herzog ter reconhecido as fotos deve ser encarado, ante a nota do governo, como emoção, recordações que ainda estão doloridas nela e em todos nós", disse. O deputado preferiu não comentar o parecer do perito Ricardo Molina, de Campinas, atestando que pelo menos duas das fotos eram de Herzog. "O trabalho de Molina é de alta respeitabilidade, mas se eram ou não, isso deixa de ter relevância", comentou, defendendo a que o governo agiu corretamente ao exigir a nota de retratação junto ao Exército. Greenhalgh e outros petistas estiveram em Campinas para apoiar o candidato do PDT, Hélio de Oliveira Campos, no segundo turno das eleições municipais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.