Pesquisadores da UFRJ desenvolvem tinta invisível

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) desenvolveram uma tinta invisível que é capaz de marcar objetos sem que ninguém perceba. A substância só é revelada quando exposta a raios ultravioleta. Pioneiro no Brasil, o produto pode ajudar a polícia a solucionar crimes, recuperando objetos roubados e identificando seus proprietários. "É um mecanismo que inibe a criminalidade, um acessório a mais no trabalho de investigação", disse o professor Claudio Cerqueira Lopes, um dos coordenadores da pesquisa. Ele explicou que a tinta tem como função evitar o sumiço de objetos valiosos. "A vantagem para o cidadão é que ele não tenha nada roubado ou possa, pelo menos, recuperar o que sumiu."A tinta foi colocada no tubo de uma caneta e a pessoa escreve sem deixar marcas, que podem ser somente vistas se expostas à luz ultravioleta. "Se você tem um carro, pode marcar o número do chassi em vários lugares. Caso ele seja roubado e a numeração for raspada, você tem como revelar o número verdadeiro", contou o professor, que também injetou a tinta em carimbos.Segundo ele, a tinta não faz mal à pele (fica no corpo por um mês), mas deve-se evitar ingeri-la ou inalá-la por muito tempo, pois contém solventes. Se comercializada, a caneta com a tinta poderá custar entre R$ 50 e R$ 100.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.