Pesquisador vê líderes emergentes

Amaury de Souza vê novos nomes em condições de vôos maiores, como Kassab, Paes, Lacerda e Beto Richa

José Maria Tomazela, O Estadao de S.Paulo

28 de outubro de 2008 | 00h00

As eleições municipais fizeram surgir novos nomes no cenário regional em condições de sonhar com o papel de protagonistas na política nacional. Além de Gilberto Kassab, alçado à condição de principal estrela do DEM com a vitória consagradora em São Paulo, Eduardo Paes (PMDB), eleito no Rio, Beto Richa (PSDB), em Curitiba, e Márcio Lacerda (PSB), em Belo Horizonte, são citados como emergentes no tabuleiro político. Entre os caciques, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), e o do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), estão entre os que saíram mais fortes.Para o cientista político Amaury de Souza, Kassab é o destaque na nova geração que se consolidou com o resultado das urnas. "A vitória dele em São Paulo foi decisiva para manter o DEM no time dos grandes partidos, mas ele também se credencia para, em seis anos, tentar vôo mais alto." Souza acredita que uma gestão bem-sucedida em cidades com mais de 200 mil eleitores dê visibilidade. "Abre o caminho para novas disputas, até mais amplas." Para ele, Beto Richa já pode ter essa pretensão, "mas é preciso que o PSDB se fortaleça fora do eixo São Paulo-Minas para que essa liderança tenha destaque". Reeleito no primeiro turno com a votação mais expressiva entre as capitais, Richa é considerado nome de renovação no PSDB, candidato a suceder Roberto Requião (PMDB) no governo do Paraná.Já no caso de Márcio Lacerda, a consolidação depende de um novo padrão geográfico do partido, hoje concentrado no Nordeste. "É uma prefeitura de primeira linha e ele tem a oportunidade de se destacar." Souza chama atenção para o nome de Luiz Marinho, eleito prefeito de São Bernardo do Campo. Com a derrota de Marta em São Paulo, a gestão do ex-ministro passa a ser uma vitrine importante para o PT no Estado. No Nordeste, a eleição de João Henrique Carneiro (PMDB) para a Prefeitura de Salvador fortaleceu a liderança do ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB), no partido. "É algo interessante, pois o PMDB se fortalece a cada eleição." Souza lembra que, em Mato Grosso do Sul, o PMDB tem o governo do Estado e a Prefeitura de Campo Grande - André Pucinelli é governador e Nelson Tradd foi reeleito na capital. "O partido ganhou também muitas prefeituras no interior."O cientista político Jairo Nicolau vê o PMDB mais unido e com lideranças importantes, como José Fogaça (PMDB), que venceu o PT pela segunda vez em Porto Alegre. Ele destaca ainda a trajetória de Paes no Rio, ancorada no apoio do governador. "É jovem, disputou com Sérgio Cabral, foi derrotado, virou secretário, foi para o PMDB e vai governar uma capital importantíssima." Como considera a política "imprevisível", não se espantará se Paes e Kassab decidirem tentar a sorte em vôo solo. Para ele, o governador do Rio também se credenciou para um projeto maior, "quem sabe em 2010".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.