Pesquisa revela preocupação dos jovens com o desemprego

Pela primeira vez o país conhece o Perfil da Juventude Brasileira. São mais de 34 milhões de jovens com idade entre 15 e 24 anos. Ao mesmo tempo em que a pesquisa, inédita no Brasil, mostra a grande preocupação dos jovens com o desemprego, 52% deles dizem ter medo do futuro profissional, a grande maioria, 64%, diz que considera o trabalho meramente uma necessidade. O Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Mircroemprensa (Sebrae), divulgou nesta quinta-feira a pesquisa onde o tema educação e trabalho lideram o "ranking" de interesse do jovem brasileiro, 37% dos entrevistados querem emprego e bom futuro profissional. "Três em cada quatro jovens estão tentando trabalhar", afirma o coordenador da pesquisa, Gustavo Venturi. Ele diz que os jovens apontaram a dificuldade de inserção no mercado de trabalho como um fator negativo em ser jovem.Os dados apontam também que os jovens acreditam ser mais difícil viver em regiões metropolitanas. O gerente de educação do Sebrae, Ênio Pinto, explica que a pesquisa é importante para traçar políticas públicas para a juventude. O gerente aponta a capacitação e o empreendedorismo para gerar renda e empregos, como a melhor opção para o jovem. "Ficou claro agora que o desemprego também afeta o jovem, a proposta é que ele possa abrir o seu próprio negócio e não ter apenas um emprego", diz. Ênio acredita em uma mudança de cultura. "A cultura do empreendedorismo ainda não existe, a maioria procura empreg o e não trabalho", explica. O ministro Luiz Dulcci, da secretaria geral da presidência, que coordena um grupo interministerial da juventude participou dadivulgação da pesquisa. Ele disse que agora o governo federal conhece a realidade dos problemas e pode buscar formas de resolver as questões da juventude brasileira. Na última segunda-feira, os ministros que fazem parte do grupo tiveram uma reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e decidiram que ainda este ano uma política integrada para o jovem deve ser lançadapelo governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.