Pesquisa não muda apoio do PSD a Dilma, dizem deputados

Mesmo com a tendência de queda da presidente Dilma Rousseff registrada na última pesquisa Datafolha, o PSD diz que a aliança nacional com o PT não está comprometida. Embora a sigla esteja em plena negociação com o PSDB do governador Geraldo Alckmin em São Paulo, o partido liderado pelo ex-prefeito da capital paulista Gilberto Kassab diz que oscilações em pesquisas de intenção de voto não mudarão o acordo fechado no ano passado. "Isso foi fechado em outubro, é um processo que já está consolidado", pontuou o deputado Guilherme Campos (SP), aliado próximo de Kassab.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

06 Junho 2014 | 15h21

O levantamento divulgado nesta sexta-feira, 6, mostra que a candidata à reeleição caiu de 37% para 34%, o senador tucano Aécio Neves (MG) oscilou de 20% a 19% e o pessebista Eduardo Campos sofreu uma queda de 11% para 7%. A petista ganharia de seus adversários num eventual segundo turno. "Acho difícil alterar (o apoio), é um compromisso firmado (em nível nacional). Mas nos Estados, é outra história", comentou o líder da bancada do PSD na Câmara dos Deputados, Moreira Mendes (RO).

Em São Paulo, o PSD caminha para fechar um acordo de apoio à reeleição de Alckmin. Kassab pode ser vice da chapa tucana, mas a negociação só deve ser concluída a partir de um acordo com o PSB de Campos. Mais cedo, o diretório do PSB paulista aprovou indicativo de apoio ao governador.

Mais conteúdo sobre:
ELEIÇÕESDATAFOLHAPSD

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.