Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Pesquisa em Fortaleza é liberada; em Curitiba, proibida

O juiz eleitoral Luciano Lima Rodrigues cassou nesta terça-feira (11) à noite liminares que suspendiam a divulgação de nova pesquisa de intenção de voto para a Prefeitura de Fortaleza, pelo Instituto Datafolha. Com isso, o levantamento do fim de semana, contratado pelo jornal O Povo, deve ser publicado nesta quarta-feira. A divulgação estava suspensa por decisões liminares do juiz eleitoral Mário Parente Teófilo Neto, que acatou os pedidos de Inácio Arruda (PC do B) e Renato Roseno (PSOL).

LAURIBERTO BRAGA, Agência Estado

12 de setembro de 2012 | 09h05

Os dois candidatos haviam questionado o fato de não terem sido incluídos nas simulações de cenários para o segundo turno. O Datafolha incluiu os quatro primeiros colocados nas duas rodadas anteriores. Ao contestar as liminares de Teófilo, o Datafolha alegou que o padrão da pesquisa é o mesmo há 29 anos e leva em conta candidatos que, no último levantamento, apareceram em condição de disputar o segundo turno. Para o diretor de Jornalismo do Grupo O Povo, Arlen Medina, as liminares eram "atentado à liberdade de informação".

Curitiba

Em Curitiba uma pesquisa eleitoral foi sustada nesta terça-feira (11) pela Justiça Eleitoral. O juiz Luciano Carrasco impediu a divulgação dos números do Datafolha/RPC sobre intenções de votos na disputa pela prefeitura, alegando falta de informações sobre a base de dados para o plano amostral. Na decisão, o juiz concedeu liminar de ação cautelar pedida pela Coligação Curitiba Quer Mais, que tem como candidato o deputado federal Gustavo Fruet, do PDT - que conta com apoio do governo federal.

A pesquisa já esteve antes ameaçada, mas o juiz Marcelo Wallbach Silva indeferiu o pedido para proibi-la. No entanto, o recurso apresentado por Fruet acabou revertendo a decisão.

Nesse novo parecer, o juiz Luciano Carrasco explica: "É necessário que se indique ao menos uma base de informações (como IBGE ou PNAD), para que eleitores e candidatos tenham acesso e verifiquem a aproximação mínima entre o total que será amostrado e a grandeza a que se chegará." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.