Pesquisa eleitoral reflete 'retrato volátil', diz Dilma

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou hoje que pesquisa política "reflete um retrato passageiro e volátil". A declaração foi feita ao comentar o desempenho dela nos levantamentos sobre a corrida eleitoral de 2010. "É um sobe e desce e ninguém pode nem achar bom e nem ruim", disse ela, após participar da abertura do Ethanol Summit, evento sobre biocombustível em São Paulo.

GUSTAVO PORTO, CAROLINA FREITAS E EDUARDO MAGOSSI, Agencia Estado

01 de junho de 2009 | 14h31

Além do crescimento de Dilma apontado na pesquisa Datafolha no final de semana, pesquisa CNT/Sensus divulgada hoje traz a ministra e o governador paulista, José Serra (PSDB), empatados tecnicamente na corrida à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo levantamento espontâneo. De acordo com o levantamento, Serra tem 5,7% e Dilma 5,4% de intenções de voto. Já na pesquisa estimulada, o governador aparece com 40,4% da intenções de voto e a ministra, 23,5% - um crescimento de 6,8 pontos porcentuais ante o levantamento anterior.

Indagada se tinha cumprimentado o governador pela liderança nas pesquisas, já que ambos se encontraram no evento, Dilma desconversou. "Cumprimentei o Serra primeiro por ele ser governador de São Paulo, segundo porque é uma pessoa pela qual tenho toda consideração, por razões estruturais", disse Dilma, que repetiu o bordão sobre sua possível candidatura à sucessão de Lula: "Eu não falo nem amarrada".

Tratamento

Dilma afirmou também que se considera curada do linfoma, "como os médicos disseram", e que segue fazendo os tratamentos com quimioterapia. "De uma certa forma a doença me fez ficar, contraditoriamente, feliz comigo mesma", disse. "Estou me sentindo capaz de resistir, de enfrentar e, nesse sentido, estou mais leve." A ministra comentou ainda as manifestações de solidariedade que recebeu da população e considerou "fantástica a quantidade de cartas, medalhinhas, imagens de Nossa Senhora e até conselhos", afirmou. "Aconteça o que acontecer a gente fica extremamente sensibilizada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.