PESQUISA-Biden venceu republicano Ryan no debate dos vices

O vice-presidente Joe Biden desponta como o vencedor do debate da quinta-feira contra o rival republicano Paul Ryan, segundo pesquisa Reuters/Ipsos.

GABRIEL DEBENEDETTI, Reuters

12 de outubro de 2012 | 20h53

Após demonstrar mais energia no debate entre os candidatos a vice-presidente dos EUA, Biden foi apontado como vencedor do confronto por 42 por cento dos entrevistados, contra 37 por cento que preferiram Ryan.

O resultado se refere à amostra dos eleitores registrados, com uma margem semelhante entre os eleitores independentes.

Quase um quarto dos eleitores registrados e um terço dos independentes não sabe dizer quem foi melhor no debate da noite de quinta-feira em Kentucky.

Os democratas torciam por uma boa atuação de Biden para contrabalançar o mau desempenho do presidente Barack Obama no primeiro de três debates entre os candidatos presidenciais, em 3 de outubro.

O candidato republicano à Presidência, Mitt Romney, foi amplamente apontado como vencedor daquele confronto, e desde então assumiu uma ligeira liderança nas pesquisas.

No levantamento Reuters/Ipsos da quinta-feira, ele tinha 47 por cento das intenções de voto, contra 44 por cento de Obama.

Biden, de 69 anos, interrompeu seu adversário, de 42, em múltiplas ocasiões na quinta-feira, e passou grande parte do debate sorrindo enquanto seu adversário falava. Alguns analistas conservadores o acusaram de ser rude por causa disso.

Apesar de Biden ter sido apontado como vitorioso, nenhum dos dois candidatos a vice teve sua imagem alterada aos olhos do eleitorado: 54 por cento dos entrevistados têm uma visão favorável sobre Biden, e 50 por cento sobre Ryan.

O número de entrevistados que considera Biden apto a ser presidente passou de 43 para 45 por cento, e se manteve em 35 por cento para Ryan.

A pesquisa foi feita depois do debate, pela internet, junto a 629 eleitores registrados. A margem de erro é de 3,1 pontos percentuais.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAEUADEBATE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.