Pesquisa alerta para cuidados com a nutrição infantil

Um estudo feito por pesquisadores do Instituto de Nutrição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) alerta: crianças e adolescentes obesos e com carência de vitamina A ? presente em alguns legumes, verduras e frutas, no leite, carne de fígado e ovos ? têm seis vezes mais chance de desenvolver doenças cardiovasculares do que aqueles considerados saudáveis. A combinação é perigosa porque a vitamina, além de proteger os vasos sangüíneos do coração, combate os radicais livres, que alteram os níveis de LDL, o chamado colesterol ruim, e o HDL, o colesterol bom.Uma equipe de quatro pesquisadores, orientados pela diretora do Instituto de Nutrição da UFRJ, Andréa Ramalho, entrevistou e colheu amostras de sangue de 432 jovens entre 7 e 17 anos de uma região pobre do município do Rio. Eles detectaram que 15,2% estavam acima do peso. Avaliaram também que 12% tinham falta de vitamina A e 50,9%, de carotenóides, que são compostos da vitamina presente em frutas e legumes de cor alaranjada, como mamão, cenoura e manga.Os estudiosos verificaram que quanto mais gordo era o pesquisado, menor era o nível de carotenóides em seu organismo ? o que o torna mais propenso a sofrer doenças cardiovasculares. Andréa Ramalho disse que isso acontece porque o organismo do obeso tem necessidade maior de combater os radicais livres, já que eles são produzidos em maior quantidade. Assim, os carotenóides não dão conta da demanda, o que leva ao aumento do LDL e à diminuição do HDL.A diretora do instituto defende a conscientização das famílias para que as crianças sejam acostumadas desde cedo a controlar o peso e a comer os alimentos ricos em vitamina A. ?Na pesquisa, verificamos que a maioria não come simplesmente porque não gosta. É preciso mostrar a importância da ingestão desses alimentos e os pais têm de dar o exemplo?, afirmou. Andréa defende que seja feita uma campanha nacional, nos moldes das campanhas de prevenção à Aids, para alertar a população.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.