ANDRE DUSEK|ESTADÃO
ANDRE DUSEK|ESTADÃO

'Perplexo, indignado e revoltado', diz Sarney sobre pedido de prisão feito por Janot

Ex-presidente e ex-senador comunicou que dedicou 60 anos de vida pública ao País e à defesa do Estado de Direito

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2016 | 14h19

BRASÍLIA - O ex-presidente e ex-senador José Sarney (PMDB-MA) divulgou nota na tarde desta terça-feira, 7, para comentar o pedido de prisão contra ele feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF). "Estou perplexo, indignado e revoltado", disse Sarney no documento distribuído à imprensa, acrescentando que jamais agiu para obstruir a Justiça.

Sarney fala que dedicou 60 anos de vida pública ao País e à defesa do Estado de Direito e que, por isso, julgava merecer "o respeito de autoridades do porte do procurador-geral da República".

Ele ainda destaca que promoveu e sancionou leis, mesmo antes da nova Constituição, que beneficiam e fortalecem o Ministério Público. "O Brasil conhece a minha trajetória, o meu cuidado no trato da coisa pública, a minha verdadeira devoção à Justiça, sob a égide do Supremo Tribunal Federal", afirma o ex-presidente.

Além de Sarney, Janot pediu ao STF a prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e do senador e ex-ministro do Planejamento de Michel Temer Romero Jucá (PMDB-RR), todos por tentativa de barrar a Operação Lava Jato. Janot ainda pediu ao Supremo a prisão do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 

Veja a íntegra da nota distribuída por José Sarney: 

"Estou perplexo, indignado e revoltado.

Dediquei sessenta anos de vida pública ao País e à defesa do Estado de Direito. Julguei que tivesse o respeito de autoridades do porte do Procurador-Geral da República.

Jamais agi para obstruir a Justiça. Sempre a prestigiei e fortaleci. Prestei serviços ao País, o maior deles, conduzir a transição para a democracia e a elaboração da Constituição da República.

Filho de magistrado e de membro do Ministério Público, mesmo antes da nova Constituição promovi e sancionei leis que o beneficiam, inclusive a criação da Ação Civil Pública e as mudanças que o fortalecem, sob a liderança do Ministro Sepúlveda Pertence, meu Procurador-Geral e patrono do Ministério Público.

O Brasil conhece a minha trajetória, o meu cuidado no trato da coisa pública, a minha verdadeira devoção à Justiça, sob a égide do Supremo Tribunal Federal."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.