Peritos protestam contra ''desprestígio''

Em carta a Tarso, entidade diz que ?legítimos anseios? são ignorados

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

"Não estamos mais dispostos a nos calar diante de falsos discursos e argumentos e da prepotência de alguns que querem se prevalecer sobre os demais, assim como não admitimos que a categoria dos peritos criminais federais seja desrespeitada dentro da Polícia Federal e no âmbito desse ministério", advertiu a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais em carta de 20 de fevereiro ao ministro da Justiça, Tarso Genro.Subscrito pelo presidente da entidade, Octávio Brandão Caldas Neto, e por outros dois dirigentes, o documento de oito páginas é um alerta contra "os atos discriminatórios em desfavor dos peritos". O texto contém sete reivindicações. "Os peritos se sentem desprestigiados, ignorados em seus legítimos anseios, enganados e relegados a um plano secundário."São quase mil os peritos federais, profissionais dotados de alta qualificação. Eles não querem ficar subordinados aos delegados. "Não vamos nos submeter a qualquer tipo de subordinação à autoridade policial", assinalam. "A versão da Lei Orgânica que nos foi apresentada há meses pelos técnicos desse ministério não atende, em absoluto, a categoria dos peritos em termos de valorização profissional e de garantias para assegurar indispensável autonomia no desempenho da atividade."A entidade denuncia que as unidades técnico-científicas nos Estados "continuam rebaixadas na estrutura das superintendências, o que ocorre desde 2003, por um erro da administração anterior". "Não há explicação plausível para o fato de os chefes dessas unidades de criminalística regionais não receberem a mesma gratificação a que fazem jus os chefes das delegacias regionais executivas e de combate ao crime organizado".Em nota, a diretoria executiva conclamou a categoria para a cruzada no Congresso. "Esse modelo retrógrado amarra qualquer instituição e vai ser consagrado nesse projeto de Lei Orgânica. Alertamos os associados para a necessidade de nos prepararmos para os embates no Legislativo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.