Peritos preparam exumação de restos mortais de João Goulart

Equipe de peritos da Polícia Federal, da Comissão Nacional da Verdade e do Ministério Público Federal vai na próxima quarta-feira, 21, a São Borja (RS), onde o ex-presidente foi enterrado

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2013 | 18h01

PORTO ALEGRE - Uma equipe de peritos da Polícia Federal, da Comissão Nacional da Verdade e do Ministério Público Federal vai a São Borja (RS) na próxima quarta-feira, 21, para preparar a exumação dos restos mortais do ex-presidente João Goulart. Os técnicos vão analisar as características do túmulo e do cemitério, verificar se há necessidade de isolar a área próxima e identificar a estrutura existente para o transporte do material até o aeroporto. Com base nos dados que levantarem, farão o planejamento da operação, que não tem data definida, mas que pode ser marcada para a segunda quinzena de setembro, segundo fontes da Polícia Federal.

A decisão de agendar a exumação e de estabelecer todos os passos da retirada e análise dos restos mortais será tomada por representantes de todos os órgãos envolvidos, em Brasília, dia 17 de setembro. É certo que os restos mortais, quando retirados do cemitério de São Borja, serão levados para a capital federal. Além dos técnicos brasileiros, participarão do trabalho peritos argentinos, uruguaios e da Cruz Vermelha. Familiares do ex-presidente acompanharão toda a investigação.

Afastado da presidência pelo golpe de 1964, João Goulart morreu no exílio em Mercedes, na Argentina, em 6 de dezembro de 1976, e foi enterrado em São Borja. A versão do enfarte sempre gerou alguma desconfiança entre apoiadores de Goulart. Em 2002, o ex-agente da repressão uruguaia Mario Barreiro Neira disse ao jornal La Republica que o ex-presidente brasileiro teria sido envenenado. A morte ocorreu no mesmo ano em que o Plano Condor assassinou o ex-senador uruguaio Zelmar Michelini e o ex-presidente boliviano Juan José Torres em Buenos Aires, o que aumentou a suspeita de que Goulart também teria sido vítima de "causas externas" e não dos problemas cardíacos que tinha. O Ministério Público Federal investiga o caso desde 2007. Com autorização da família, a Comissão Nacional da Verdade decidiu fazer a exumação neste ano, na tentativa de acabar com o mistério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.