Roberta Pennafort/Estadão
Roberta Pennafort/Estadão

Perito de apartamento de Adriana Ancelmo recomenda nova vistoria sem aviso

A mulher do ex-governador do Rio conseguiu na Justiça o direito de ir para prisão domiciliar, mas com a condição de que não teria acesso a internet ou telefone

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

29 Março 2017 | 18h23

RIO – O perito criminal federal responsável pela inspeção no imóvel da ex-primeira dama do Rio Adriana Ancelmo recomendou a realização de uma nova vistoria “preferencialmente sem aviso prévio”, destacando não ser possível garantir que nenhum alteração será feita no apartamento posteriormente.

A mulher do ex-governador do Rio deixou na noite desta quarta-feira, 29, o Complexo Penitenciário de Gericino (Bangu), na zona oeste do Rio, para cumprir prisão domiciliar no seu apartamento no Leblon, zona sul da cidade. 

Adriana conseguiu na Justiça o direito de ir para prisão domiciliar, mas com a condição de que não teria acesso a internet ou telefone. A transferência de Adriana do Complexo Penitenciário Gericinó (Bangu), na zona oeste, para o apartamento no Leblon, zona sul, pode ocorrer ainda nesta quarta-feira, 29. Ela está presa desde dezembro.

O perito Michel dos Santos Bitana ressaltou no relatório entregue à Justiça que a vistoria feita por ele ontem retrata o estado das instalações no momento em que foi efetuada. A avaliação foi feita entre 15h e 16h de ontem.

Na decisão sobre a mudança no regime prisional, o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, autorizou a Polícia Federal a realizar inspeções no imóvel, sem prévia comunicação, entre 6h e 18h. O perito diz ainda no relatório que o apartamento tem uma diversidade de dispositivos eletrônicos que permitem acesso a internet, como relógios, televisores e vídeo-games. Ele destaca que os equipamentos podem ser usados para acesso a internet, se devidamente configurados. Apesar disso, destacou que “no momento da vistoria não foi observada a existência de tais conexões”.

Mais conteúdo sobre:
Justiça Marcelo Bretas Polícia Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.