Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Perillo diz que comparece à CPI, se for convocado

Governador de Goiás também contesta o relato dos parlamentares da CPI do Cachoeira

Rubens Santos, especial para O Estado

11 de maio de 2012 | 11h54

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), disse nesta sexta-feira, 10, que se for convocado, vai comparecer à CPI do Cachoeira e prestar todos os esclarecimentos que forem necessários relacionados à venda de uma casa, no condomínio Alphaville de Goiânia, e outros assuntos, informou o assessor de imprensa, Isanulfo Cordeiro.

O governador compareceu ao velório do delegado Osvalmir Carrasco Melatti Júnior (38), piloto do helicóptero da Polícia Civil que caiu há três dias, no interior de Goiás, mas não deu entrevistas. Perillo tem compromissos nesta tarde em Formosa e Luziânia, na região do Entorno do Distrito Federal.

Citado nas gravações da PF na Operação Monte Carlo, Marconi Perillo considerou "pura ilação" a informação sobre a entrega de R$ 500 mil por parte do grupo do contraventor Carlinhos Cachoeira a um assessor no Palácio do Governo: "Essa história jamais aconteceu", afirmou.

O governador também contesta o relato dos parlamentares da CPI do Cachoeira, que afirmam que o governo de Goiás está loteado por interesse do bicheiro. De acordo com Perillo, ele jamais admitiu ou permitiu influência em seu governo pelo investigados na Operação Monte Carlo. Também considerou que as ligações telefônicas que foram gravadas pela Polícia Federal induzem a "conclusões precipitadas".

Por fim, a assessoria do governador tucano reafirmou que os contratos da construtora Delta com o Governo de Goiás foram auditados e servidores e assessores envolvidos nas investigações já foram afastados.

Relação. Em entrevista à rádio CBN Goiânia, na manhã desta sexta, o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), disse que o governador Marconi Perillo deve se apresentar logo à CPI: "É urgente a presença dele na CPI. A Existência de uma relação próxima com a organização de Cachoeira deve ser esclarecida, e esta é uma das mais graves acusaçoes".

O senador também comentou que Perillo deve explicações sobre a relação do procurador do Estado de Goiás, Ronaldo Bicca, com Cachoeira: "Ele (Bicca) estava atuando de acordo com os interesses do Cachoeira", acusou. "Também o loteamento do Detran e o envolvimento de secretários de estado devem ser esclarecidos", ressaltou Rodrigues.

Tudo o que sabemos sobre:
CPI do CachoeiraMarconi Perillo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.