Arquivo/Estadão
Arquivo/Estadão

Perícia sobre envenenamento de Jango é inconclusiva

Médico da Polícia Federal, Jeferson Evangelista Corrêa afirmou que não foram identificadas substâncias tóxicas ou medicamentosas que possam ter causado morte do ex-presidente

Fabio Brandt, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2014 | 12h35

 BRASÍLIA - Peritos que analisaram os restos mortais do ex-presidente João Goulart afirmaram na nesta segunda-feira, 1, que as análises não permitem saber se a morte foi por causa natural ou se ele realmente foi assassinado por envenenamento planejado pelas ditaduras latino-americanas.


O perito médico da Polícia Federal Jeferson Evangelista Corrêa afirmou que não foram identificadas substâncias tóxicas ou medicamentosas que possam ter causado sua morte. Apesar disso, disse, não está descartada a possibilidade de envenenamento, porque o corpo passou por muitas mudanças químicas desde a morte, na década de 1970, o que influencia no resultado da perícia.


O perito cubano Jorge Perez, designado pela família de Jango para acompanhar os trabalhos, disse que não é possível comprovar que a morte de Jango tenha decorrido de um infarto, como está registrado nos documentos oficiais. Também não é possível, segundo ele, dizer se foi uma morte natural. "As duas possibilidades se mantêm. É conveniente a continuidade dos estudos", declarou Perez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.