Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

'Perguntem para o STF', diz Lula sobre punição a ministro

Presidente evita opinar sobre bate-boca no STF e diz que 'tomar conta do governo já é demais' para ele

Lisandra Paraguassu, de O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2009 | 19h53

Depois de lamentar os episódios que tomaram conta da Câmara dos Deputados, durante reunião do grupo de coordenação política realizada hoje pela manhã, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva limitou-se a dizer que o "Congresso tem sabedoria demais para resolver esse problema". O presidente referia-se às recentes informações sobre o uso de cotas das passagens aéreas por parlamentares.

 

Veja também:

linkAção contra ministro do STF por usar ‘capanga’ divide juristas

linkNos bastidores, Mendes é criticado no STF e no CNJ

 linkPosições provocam isolamento de Barbosa no STF

video Íntegra da discussão e vídeo do bate-boca

linkMinistros do STF dão apoio a Gilmar Mendes após discussão

 

Após visita às instalações do campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Itumbiara (GO), o presidente evitou ainda comentar o bate-boca ocorrido nesta semana entre o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, e o ministro Joaquim Barbosa. Quando questionado sobre a possibilidade de punição à Joaquim Barbosa, Lula respondeu: "Não pergunte para mim, pergunte para o STF, gente. Tomar conta do governo já é demais para mim".

 

Lula também não quis comentar as inserções veiculadas pelo PPS no rádio e na televisão ontem. No programa, o partido afirma que o governo Lula planeja "mexer" na caderneta de poupança, assim como fez o governo Collor, que confiscou os depósitos em 1990. "Eu não vou nem comentar. Desculpa, mas não merece comentário. O que é grave é que um partido faz uma propaganda e pode passar por mentiroso, isso que é grave", disse o presidente, quando questionado sobre o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.