Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Perguntas e respostas sobre os suspeitos de hackear Bolsonaro, Moro e outras autoridades

Grupo teria invadido os celulares do presidente da República, do ministro da Justiça e Segurança Pública e de autoridades como integrantes da força-tarefa da Lava Jato

Fausto Macedo, Julia Affonso, Luiz Vassallo e Patrik Camporez, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2019 | 10h51

A Polícia Federal prendeu na terça-feira, 23, quatro suspeitos de terem invadido celulares de pelo menos 1.000 pessoas, entre as quais o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça e Segurança PúblicaSérgio Moro, e de outras autoridades, como o procurador da República e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol

O inquérito é mantido em sigilo e está sendo conduzido pelo delegado Luiz Flávio Zampronha, que, em 2005 e 2006, presidiu o inquérito do mensalão.

Entenda, abaixo, o que se sabe até agora sobre o caso. 

Quem teve o celular invadido? 

Foram cerca de 1.000 pessoas, entre as quais autoridades como o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e o coordendaor da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol. A Polícia Federal suspeita que o mesmo grupo também invadiu os celulares do ministro da Economia, Paulo Guedes; e a líder do governo Bolsonaro no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP). 

Quem são os suspeitos? 

Gustavo Henrique Elias Santos e sua mulher, Suellen Priscila de Oliveira, são dois dos supostos hackers. Segundo o advogado Ariovaldo Moreira, que defende Gustavo e a mulher, o casal “não tem nada a ver com a invasão do celular do procurador e do ministro”.

Além do casal, que foi detido em São Paulo, a PF prendeu Walter Delgatti Neto, em Araraquara. Há ainda um quarto preso, em Ribeirão Preto, Danilo Cristiano Marques. Os quatro suspeitos de hackear os celulares de autoridades foram transferidos para Brasília e levados para a Superintendência da PF do Distrito Federal.  

A investigadores da Operação SpoofingWalter Delgatti Neto afirmou ter dado ao jornalista Glenn Greenwald acesso a informações capturadas do aplicativo Telegram. A defesa do jornalista, fundador do site The Intercept Brasil, disse, em nota, que “não comenta assuntos relacionados à identidade de suas fontes anônimas”

Onde foram cumpridos os mandados? 

Os mandados de prisão temporária e de busca e apreensão foram realizados em São Paulo, em Araraquara e em Ribeirão Preto. Foram presos um homem e uma mulher na capital e outros dois homens nas cidades do interior paulista. Os presos foram transferidos para Brasília. 

Relembre o caso

Desde 9 de junho, o site The Intercept Brasil divulga supostas mensagens trocadas pelo então juiz federal titular da Lava Jato em Curitiba com integrantes do Ministério Público Federal, principalmente com Dallagnol. Foram divulgadas pelo The Intercept e outros veículos conversas atribuídas ao ex-juiz e a procuradores no aplicativo Telegram. O site afirmou que recebeu de fonte anônima o material, mas não revelou a origem. Moro nega conluio – ele e Dallagnol afirmam não reconhecer a autenticidade das conversas. 

'Grupo criminoso'

O ministro da Justiça já afirmou que a invasão virtual foi realizada por um grupo criminoso organizado. Para ele, o objetivo seria invalidar condenações por corrupção e lavagem de dinheiro, interromper investigações em andamento ou “simplesmente atacar instituições”.

Em 19 de junho, Moro passou oito horas e meia respondendo a questionamentos de senadores na Comissão de Constituição e Justiça da Casa sobre as supostas mensagens que sugerem atuação conjunta com os procuradores quando ele era juiz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.