Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Perfil em jornal japonês cita fala de Bolsonaro de que seu cargo é missão de Deus

The Japan Times também revelou que o presidente brasileiro expressou ceticismo sobre o investimento chinês no Brasil durante a campanha eleitoral do ano passado

Célia Froufe, enviada especial

26 de junho de 2019 | 05h35

OSAKA - A edição especial do jornal The Japan Times para a reunião de cúpula do grupo das 20 maiores economias do globo (G-20), G-20 Osaka Summit Special, traz um pequeno perfil com foto dos líderes que se encontrarão na cidade a partir desta sexta-feira, 28. Sobre o presidente do Brasil, o texto menciona que, católico com o nome do meio Messias, que significa "salvador", ele chamou o cargo presidencial de sua missão de Deus.

O periódico, que circulará oficialmente amanhã, dia 27, quando chegam os chefes de Estado e de governo para o encontro, explica que Bolsonaro é um oficial aposentado que tomou posse em janeiro com a promessa de reprimir a criminalidade e facilitar as leis de controle de armas para que as pessoas comuns pudessem se defender. "O político de 64 anos é conhecido por apoiar o conservadorismo nacional."

O The Japan Times também revelou que o presidente brasileiro expressou ceticismo sobre o investimento chinês no Brasil durante a campanha eleitoral do ano passado. Em parte desse período pré-eleição, recordou a edição especial, ele foi forçado a ficar de fora da campanha após ser hospitalizado por uma facada no abdômen em setembro.

Vindo de São Paulo, Jair Bolsonaro se formou em uma academia militar e se juntou a uma brigada de paraquedistas. O jornal acrescentou que o presidente decidiu seguir carreira política depois de ter sido disciplinado por escrever uma coluna em uma revista local em 1986 defendendo o aumento dos salários militares. Ele serviu como membro da Câmara dos Deputados por sete mandatos consecutivos de 1991 até antes de ser eleito presidente. 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.